As conspirações e a salvação da nova direita

Nos últimos tempos, muitos autores sugerem chaves de leitura sobre o que estaria por trás das táticas das novas direitas, assentando regimes populistas ao redor do mundo (com tons ou inteiras cores fascistas). Mas salta aos olhos como essas chaves de leitura envolvem pesos bastante diversos. Há coincidências?

Jason Stanley e Federico Finchenstein dizem, por exemplo, que há traços fascistas nos novos populismos que vão de Trump a Bolsonaro. O culto a um passado mítico, o ressentimento para com o presente, a denúncia de uma “conspiração de esquerda” encabeçada pelo “marxismo cultural”, a pretensa identificação do líder com as aspirações do povo, a reação contra figuras de alteridade (imigrantes, negros, homossexuais, comunistas) são chaves de leitura tão importantes quanto detectáveis factualmente.

Para Benjamin Teitelbaum, em War for Eternity, o que haveria por trás do neopopulismo de tons fascistas é o “tradicionalismo”: uma coleção de autores místicos, esotéricos, antimodernos seria o carro-chefe para os mesmos ressentimentos e denúncias contra a ciência, as universidades, o “marxismo cultural” e as esquerdas etc., transformando o neopopulismo numa espécie de nova Cruzada contra infiéis (conscientes ou inconscientes) que caberiam em chaves de leitura bem específicas e apenas conhecidas por pessoas cujo nível de personalidade pertenceria a “camadas” superiores.

Para João Cezar de Castro Rocha, o que está por trás é a doutrina do Orvil, uma espécie de contra-projeto dos militares formulada depois do lançamento de Brasil – Nunca mais, livro que escancarou as práticas de perseguição e tortura da Ditadura Militar. O Orvil, como contra-livro, pregaria o fato de que a “esquerda” não teria sido suficientemente derrotada na ditadura, gerando inclusive movimentos culturais – mais fortes do que a simples resistência material – que precisariam ser arrasados. É um livro na linha da declaração segundo a qual “a ditadura matou foi pouco”. Eis, novamente, a crítica a um complô de fundo que regeria a ciência, as universidades, os valores democráticos e teria loteado o país inteiro.

Dentre outros argumentos, Giuliano Da Empoli em Os Engenheiros do Caos lembra de Robert Breitbart e seu livro Righteous Indignation, segundo o qual a raiz do Mal seria a Escola de Frankfurt e sua instalação nos EUA, após a fuga da Alemanha nazista. Esses teóricos teriam instaurado o tão difundido “marxismo cultural” já durante os anos 1950-60, o que teria condicionado toda a intelectualidade posterior. Toda a universidade, assim, estaria consciente ou inconscientemente viciada por uma dominação cultural que, inclusive, transbordaria os muros da universidade e se refletiria no “globalismo” econômico reinante.

Já houve também quem acusasse os líderes populistas de serem doentes mentais. “Por trás” de seus desmandos estaria, então, a doença, a loucura. Seriam espécies de Neros desvairados, num leque que vai da interdição ao crime.

Dessas chaves de leitura, surpreende a diferença. Mas em todas há uma coincidência de forma: a presença de uma conspiração de fundo, ou de “verdades” de fundo, acessíveis apenas para quem tenha o olhar correto para ver. Esse olhar correto é alcançado não por uma discussão racional, mas por certos tons iniciáticos, lealdade e atalhos intelectuais (envolvendo muita minimização de incongruências).

Além disso, haveria um jogo com a materialidade do discurso, e não propriamente com sua verdade: assim, as fake news permaneceriam instrumento útil não porque são falsas ou não, mas porque desarmam ou enfraquecem o “inimigo”. A questão não seria validar ou não as fake news, mas o fato delas se alinharem ou não com uma narrativa mais profundamente “verdadeira”. Essa narrativa de fundo, inabalável, é que autorizaria na superfície o uso de fake news para enfraquecer o “adversário” (pois para o neopopulista não existe discordância democrática, mas apenas adesão).


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search