A Biblioteca Walleriana e os 50 anos de História da Loucura

Erik Waller foi um médico sueco nascido em 1875. Viveu em diversas regiões de seu país. No decorrer da vida, especialmente desde o início do século XX, começou a colecionar livros, esboços, manuscritos e documentos de história da medicina. Compilou mais de 20000 documentos. Tornou-se no fim da vida bibliotecário, e em 1955, alguns meses após o falecimento, seu acervo – doado desde 1950 à Biblioteca de Uppsala – foi mapeado por Hans Sallander, em edição de 1955.

Atualmente parte do setor de manuscritos da “Biblioteca Walleriana” figura no site da Universidade de Uppsala, em versão digital. São documentos de história da ciência com valor inestimável e disponíveis ao pesquisador. Sob o nome de um desses conjuntos documentais – Parnassus Scientiarum – os italianos Marco Beretta and Andrea Scotti elaboram, desde 2000, um novo catálogo, também virtual, disponibilizando vários arquivos digitalizados (no projeto Pinakes).

Para se ter uma idéia do valor dessa biblioteca de história das ciências, ela é uma das principais fontes de um dos livros mais importantes de meados do século XX: Folie et Déraison, a tese de doutorado de Michel Foucault sobre história da loucura. Foucault defendeu essa tese em 1960, junto com uma tradução da Antropologia de um ponto de vista pragmático, de Kant. Ao ser aceita por Georges Canguilhem para orientação, a tese estava quase pronta, especialmente na análise documental.

Em diversas outras ocasiões Foucault fez referências diretas ou indiretas à biblioteca. Por exemplo, em mais de uma oportunidade, comentando sobre o material documental de O Nascimento da Clínica, ele afirmou sobre a pesquisa abranger praticamente tudo o que foi publicado desde vários séculos em história da medicina. Provavelmente muito desse “tudo” abrange o acervo walleriano.

Boa parte da pesquisa em Uppsala, segundo Foucault, teve influência prévia de um outro professor, Georges Dumezil. Foucault creditava ao professor o mérito de fazer estudos históricos dos antigos a partir de análises comparadas de diversos domínios diferentes, em uma mesma época. Dumezil analisava “formas estruturadas de experiência cujo esquema pudesse ser encontrado, com modificações, em níveis diversos”, dizia Foucault em 1961. Nesse contexto, é importante notar que Erik Waller não resumia sua coleção à coleta de bibliografia “pública”, nem apenas dentro de um debate que se poderia chamar “científico”. Ao procurar por exemplo por “Pinel”, o leitor encontra no acervo desde retratos desenhados, até cartas e ordenanças institucionais, do asilo à academia. Certamente documentos desse tipo (manuscritos, documentos com valor jurídico ou semi-jurídico, esboços, cartas, desenhos e afins) serviram à pesquisa da Tese Principal foucaultiana, ainda deixando marcas no trabalho futuro. Vê-se isso examinando a estrutura do livro: em termos gerais, a primeira parte de História da Loucura se dedica às práticas de internamento e aos procedimentos de ordem moral e semi-jurídica, “institucional”; a segunda parte é inteiramente dedicada aos discursos médicos e jurídicos. Se a inspiração em Dumezil mencionada acima é correta, a utilização do material “informal” dos manuscritos da walleriana é correlata.

Foucault “concluiu” sua pesquisa em Uppsala há 50 anos. Sobre as “comemorações”, no dia 12 de setembro um programa radiofônico australiano chamado The Philosopher´s Zone, ancorado por Alan Saunders, dedicou um especial. Saunders entrevistou Justin Clemens, outro australiano interessado no assunto.

Sobre História da Loucura, talvez apenas em 2010 ou 2011 apareçam interesses mais intensos, quando a publicação impressa datar 50 anos. Mas a despeito da atenção dirigida, e mesmo com as alterações em suas edições, o livro continua atual, com muitas consequências ainda não exploradas.

Publicado originalmente em OEstrangeiro.net em 19 de setembro de 2009.

Cite this article as: Marcio L. M., "A Biblioteca Walleriana e os 50 anos de História da Loucura," in áskēsis, 26/06/2020, https://askesis.hypotheses.org/868.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search