Schelling: sobre o experimento

Traduzido de: Schelling, F. W. Écrits Philosophiques et morceaux propres à donner une idée générale de son système. (trad. Ch. Bénard). Paris: Jourert, 1847. 

Sobre o experimento

[p. 373] Sem dúvida, seria impossível de penetrar a construção interior da natureza se nossa liberdade não nos permitisse colocar a mão nela. 

A natureza bem age abertamente e livremente, mas ela não age isoladamente. Ela age sob influência de uma série de causas que é preciso excluir para obter um resultado puro. A natureza deve então ser forçada a agir sob certas condições que não são de modo algum ordinárias, e que não existem senão quando modificadas por outras. – A uma tal violência feita à natureza chama-se experimentação. Cada experiência é um questionamento dirigido à natureza, e à qual esta é forçada a responder, mas toda questão carrega um secreto juízo a priori. Cada experimentação merecedora desse nome é uma profecia; o próprio fato de experimentar consiste em produzir fenômenos. – O primeiro passo na ciência consiste então, ao menos na física, em que se comece a produzir os objetos dessa própria ciência. 

Não podemos conhecer senão aquilo que nós mesmos produzimos. O saber, no sentido mais rigoroso do termo, é então um puro saber a priori. A construção com ajuda da experimentação não é entretanto ainda uma autoprodução dos fenômenos. E não se trata de dizer aqui [p. 374] que, na ciência da natureza, muitas coisas não podem ser conhecidas a priori por comparação, como por exemplo na teoria dos fenômenos elétricos, magnéticos ou da luz. Uma lei tão simples é reproduzida em cada fenômeno, do qual pode ser deduzida a sequência de cada pesquisa. Aqui, meu conhecimento segue imediatamente a lei conhecida, sem a intervenção de uma experiência particular. Mas de onde vem a própria lei? Eis aí a questão. Afirmamos aqui que todos os fenômenos se ligam a apenas uma lei absoluta e necessária, da qual todos eles podem ser deduzidos; numa palavra: que, na ciência da natureza, tudo o que se sabe se sabe a priori. Agora, que a experiência não conduza jamais a tal conhecimento, é evidentemente o resultado do fato de que ela não pode se elevar acima das forças da natureza as quais ela mesma usa como meio. 

Sur l’idée d’une Physique spéculative. 

(O trecho destacado na edição de 1847 de Bénard faz parte da Introdução ao Projeto de um Sistema da Filosofia da Natureza ou Sobre o Conceito da Fí­sica Especulativa e a Organização interna de um Sistema desta Ciência (1799), cujo original em alemão foi traduzido em português em: Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 17, n. 28, p. 257-307, 27 maio 2011.)


Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 26/06/2020

    […] – Introdução ao Projeto de um Sistema da Filosofia da Natureza ou Sobre o Conceito da Fí­sica Especulativa e a Organização interna de um Sistema desta Ciência 1799. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 17, n. 28, p. 257-307, 27 maio 2011. (trecho “Sobre o experimento“) […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search