Mídia, democracia e infodemia

Organizo abaixo bibliografia relevante sobre as relações entre as diversas tecnologias informáticas e seus “impactos” no mundo atual. O tema é ainda mais importante sob o contexto da Infodemia responsável pelos regimes populistas atuais e a desinformação que ocasiona mortes na pandemia de COVID-19. (Work in progress)

Posts deste espaço

Erro RSS: WP HTTP Error: cURL error 28: Operation timed out after 10001 milliseconds with 0 bytes received

Pierre Levy e as “tecnologias da inteligência”

LEVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência. RJ: Ed. 34, 1993.

LEVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 2. ed. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 1999.

LEVY, PIERRE. A conexão planetária – o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Ed. 34, 2001.

Outros artigos e livros

1967

ARENDT, H. Verdade e Política. in: Entre o Passado e o Futuro. SP: Perspectiva, 2016. [Truth and Politics, ed. 1967]

Somente quando uma comunidade adere ao mentir organizado por princípio, e não apenas em relação a particularidades, a veracidade como tal, sem o apoio das forças distorsivas do poderio e do interesse, se torna fator político de primeira ordem. Onde todos mentem acerca de tudo que é importante aquele que conta a verdade começou a agir; quer saiba ou não, ele se comprometeu também com os negócios políticos, pois, na improvável eventualidade de que sobreviva, terá dado um primeiro passo para a transformação do mundo.

Hannah Arendt, Verdade e Política in Entre o Passado e o Futuro (p. 310-11)

2008

SUSKIND, Ron. The Way of the World: A Story of Truth and Hope in an Age of Extremism. Harper, 2008.

(Ron Suskind é, talvez, um dos primeiros jornalistas a denunciar a derrocada recente da democracia por estratégias explícitas de mentira e pela divisão entre as ações – doravante sem necessidade de justificação – e os debates públicos – tornados mero adereço sem compromisso com a ação.)

2011

ALENCASTRO, L. F. Desemprego e decadência urbana explicam revolta na Inglaterra e sua semelhança com tumultos na França. UOL Notícias, 13/08/2011. https://noticias.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/luiz-felipe-alencastro/2011/08/13/desemprego-e-decadencia-urbana-explicam-revolta-na-inglaterra-e-sua-semelhanca-com-tumultos-na-franca.htm (acesso em maio de 2020)

2013

ROUVROY, Antoinette; THOMAS, Berns, « Gouvernementalité algorithmique et perspectives d’émancipation » Le disparate comme condition d’individuation par la relation ?, Réseaux, 2013/1 n° 177, p. 163-196. 

SILVEIRA, Sergio Amadeu. Aaron Swartz e as Batalhas pela liberdade do conhecimento. Revista Internacional de Direitos Humanos, vol. 10 n. 18, 2013 https://egov.ufsc.br/portal/conteudo/aaron-swartz-e-batalhas-pela-liberdade-do-conhecimento 

SWARTZ, Aaron. The boy who could change the world – the writings of Aaron Swartz. New York: The New Press, 2015

No antigo sistema de broadcasting, você está fundamentalmente limitado pela quantidade de espaço nas ondas. Você sabe, há apenas 10 ondas de canais de televisão agora, e mesmo via cabo você tem 500 canais. Mas na internet todo mundo pode ter um canal. Todo mundo pode começar um blog ou uma página no MySpace. Todo mundo tem um jeito de se expressar. E o que você vê agora não é uma questão de “quem tem acesso às ondas?. É uma questão de “quem fica com o controle das formas pelas quais você encontra as pessoas?”. Você começa a ver o poder centralizar na Google, como se fossem guardiões dos portões que ditam a você onde você quer ir na internet, são as pessoas que fornecem suas fontes de notícias e informações. Então não se trata mais de apenas algumas pessoas terem licença para falar. Todo mundo pode falar agora. É uma questão de “quem é ouvido?”

Aaron Swartz (criador do RSS e co-criador das CC e do Reddit), no documentário “The internet’s own boy

2015

ECO, U. Umberto Eco: “No momento em que todos têm direito à palavra na internet, temo-la dada aos idiotas” In: Diário de Notícias (24 de maio de 2015). Acessado em maio de 2020.https://www.dn.pt/artes/umberto-eco-no-momento-em-que-todos-tem-direito-a-palavra-na-internet-temola-dada-aos-idiotas-4584352.html

2016

ROUVROY, Antoinette. La gouvernementalité algorithmique : radicalisation et stratégie immunitaire du capitalisme et du néolibéralisme ? LA DELEUZIANA – REVUE EN LIGNE DE PHILOSOPHIE – ISSN 2421-3098 N. 3 / 2016 – LA VIE ET LE NOMBRE

2017

SOUZA ALVES, Marco. A cibercultura e as transformações em nossas maneiras de ser, pensar e agir. In: Nádia Laguárdia de Lima; Márcia Stengel; Márcio Rimet Nobre; Vanina Costa Dias. (Org.). Juventude e cultura digital: diálogos interdisciplinares. 1ed.Belo Horizonte: Editora Artesã, 2017, v. , p. 169-180.

2018

BRUNO, Fernanda; CARDOSO, Bruno; KANASHIRO, Marta; GUILHON, Luciana; MELGAÇO, Lucas (orgs.) Tecnopolíticas da Vigilância – Perspectivas da margem. SP: Boitempo, 2018.

CADWALLDR, Carole. ‘I made Steve Bannon’s psychological warfare tool’: meet the data war whistleblower. The Guardian, 18/3/2018 https://www.theguardian.com/news/2018/mar/17/data-war-whistleblower-christopher-wylie-faceook-nix-bannon-trump

GELFERT, Axel. “Fake News: A Definition.” Informal Logic, volume 38, number 1, 2018, p. 84–117. https://doi.org/10.22329/il.v38i1.5068

MOORE, Martin. Democracy Hacked: Political Turmoil and Information Warfare in the Digital Age. Oneworld, 2018.

LANIER, J. Dez Argumentos para você deletar agora suas Redes Sociais. RJ: Intrinseca, 2018.

TELES, Edson. GOVERNAMENTALIDADE ALGORÍTMICA E AS SUBJETIVAÇÕES RAREFEITAS. Kriterion [online]. 2018, vol.59, n.140 [citado  2020-06-24], pp.429-448. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2018000200429&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1981-5336.  https://doi.org/10.1590/0100-512x2018n14005et.

Edson C. TANDOC Jr., Zheng Wei LIM & Richard LING (2018) Defining “Fake News”, Digital Journalism, 6:2, 137-153, DOI: 10.1080/21670811.2017.1360143

VOSOUGHI, S.; ROY, D.; ARAL, S. The spread of true and false news online. Science  09 Mar 2018: Vol. 359, Issue 6380, pp. 1146-1151 DOI: 10.1126/science.aap9559

Para manter seus usuários conectados, uma empresa de redes sociais deve, sobretudo, fazer as coisas de maneira que eles se enervem, sintam-se em perigo ou tenham medo. A situação mais eficaz é aquela em que os usuários entram em estranhas espirais de um consenso muito poderoso ou, ao contrário, de sério conflito com outros usuários. Isso não acaba jamais, e é esse, exatamente, o alvo. As empresas não planificam nem organizam nenhum desses modelos de utilização. São os outros que são incitados a fazer o trabalho sujo. (Jaron Lanier In Da Empoli, 2020, p. 81)

2019

ALVES, M. Antônio Sousa (2019). Cidade inteligente e governamentalidade algorítmica: liberdade e controle na era da informação. Philósophos – Revista De Filosofia23(2). https://doi.org/10.5216/phi.v23i2.52730

BARBOSA, Mariana (org.) Pós-Verdade e Fake News – reflexões sobre a guerra de narrativas. RJ: Cobogó, 2019

FILCHENSTEIN, Federico. Do Fascismo ao Populismo na História. SP: Almedina, 2019.

KAUFMAN, Dora. A Inteligência Artificial mediando a comunicação: impactos na automação. In: Barbosa, Mariana (org.) Pós-Verdade e Fake News – reflexões sobre a guerra de narrativas. RJ: Cobogó, 2019

SUMPTER, D. Dominados pelos números – do Facebook e Google às Fake News. RJ: Bertrand Brasil, 2019.

2020

CESARINO, Leticia. Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet e Sociedade, n. 1, v. 1, 2020.

DA EMPOLI, Giuliano. Os Engenheiros do Caos. SP: Vestígio, 2020.

KAISER, Brittany. Manipulados – como a Cambridge Analytica e o Facebook invadiram a privacidade de milhões e botaram a democracia em xeque. RJ: Harper Collins, 2020.

KLEIN, Naomi. Coronavirus pode construir uma distopia tecnológica. Intercept, 13/5/2020.

STANLEY, Jason. Como funciona o fascismo. SP: LP&M, 2020.

Documentários, filmes etc.

The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz (2014).

Documentário sobre Aaron Swartz, ativista por uma internet livre. Foi criador da tecnologia feed RSS e sofreu processos da JSTOR devido a direitos autorais.

Privacidade Hackeada (The Great Hack, 2019)

Focado em Brittany Kaiser, o documentário analisa a evolução da Cambridge Analytica e sua influência em campanhas como a de Trump e outros (Bolsonaro é mencionado). O documentário é mais amplo do que o título (não visa apenas a questão da “privacidade”, mas também a corrosão da democracia e a manipulação de opiniões eleitorais via Big Data).

Outros links


Você pode gostar...

2 Resultados

  1. 11/08/2020

    […] notícia Fake – diz literatura diversa – se alastra emulando as características da notícia factual, da imprensa. Mas como tal, […]

  2. 12/09/2020

    […] uma bibliografia montada em torno dos temas “Mídia, Infodemia e Democracia“. Além disso, alguns textos preparatórios estão vinculados […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search