O “caminhante” e a linguagem simbólica

“Admirável modo de representação do acesso à Realidade escondida, o espectador vê o personagem contemplar a Realidade. As personagens de Friedrich não se viram para o espectador, mas o convidam a contemplar com ele a Realidade escondida. “O pitoresco cede à contemplação”, sem nada de anedótico ou de pessoal. O espectador é assim convidado apenas a contemplar, mas a contemplar com alguém que contempla algo que está para além das aparências. É um impregnar-se na Alma do Mundo afastada, difusa mas dominante.

No melhor dos casos, a fórmula Fascinans et tremendum, pela qual Rudolph Otto define o sagrado, aplica-se perfeitamente a esses quadros que vivem do sagrado. É preciso “fechar os olhos do corpo” para permitir ao Self de dar a voz ao inconsciente, ao sonho, mas também à imaginação, ao erotismo, à loucura, ao pesadelo, a um universo desordenado, eco da Alma do mundo primitivo.

É nesses quadros tão ricos que se pode compreender um pouco o que pode ser a contemplação dos místicos”

Tradução livre de Chédozeau, Bernard: L’âme du monde et la pensée symbolique. In Bulletin de L’Académie des Sciences et Letres de Montpellier (n. spécial: La Pensée Symbolique). nov. 2012


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search