Umberto Eco, a internet e o “idiota da aldeia”

Em 2015, Umberto Eco deu uma entrevista que se tornou polêmica. Ele disse que a internet teria dado voz ao “idiota da aldeia”. Foi criticado por inúmeros motivos, que vão dos que o acusam de não perceber o caráter igualitário da internet aos que acusam a velha guarda de nunca receber bem as novas tecnologias.

Curiosamente, andaram “pedindo desculpas” a ele. Mas o que parece curioso é que o problema enunciado não parecia exatamente o que lhe foi atribuído. Eco ligava a figura do “idiota” ao ruído da internet, e ao fato de que, na hora na qual se dá voz, os idiotas é que ganham o direito de dizer. “Idiota” também parece vinculado a seu sentido tradicional e etimológico de ἰδιώτης. Note-se sua passagem:

O problema da internet é que produz muito ruído, pois há muita gente a falar ao mesmo tempo. Faz-me lembrar quando na ópera italiana é necessário imitar o ruído da multidão e o que todos pronunciam é a palavra rabarbaro. Porque imita esse som quando todos repetem rabarbaro rabarbaro rabarbaro, e o ruído crescente da informação faz correr o risco de se fazer rabarbaro sobre os acontecimentos no mundo. Haver muito ruído é o outro grande problema da informação contemporânea e esse é um dos temas do meu romance: cada uma das personagens não era problema, mas todos juntos faziam demasiado barulho. Portanto, deve-se evitar muito ruído informativo.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search