Sobre ciência e anti-ciência na Pandemia

Pode não ser novidade para alguns, mas a Pandemia também ocasionou uma verdadeira pandemia de desorientação. Há uma guerra de narrativas (fomentada por alguns até nas imagens e gestos) e não se restringe às fake news.

Nessa “guerra”, certas noções não científicas passam a ter papel “científico” e de convencimento. Outras noções, originalmente científicas, acabam desempenhando papel não-científico ou até anti-científico, às vezes resultando em supostos milagres. Autoridades políticas misturam estrateticamente seu papel público com enunciados científicos (igualmente públicos mas não – ao menos à primeira vista – políticos), e extraem com esse jogo resultados ainda políticos. Cientistas são atacados e não-cientistas ganham estranhas credibilidades (certos influencers que o digam).

Tamanhas questões dariam vazão a uma dupla tarefa, um pouco na linha do que os historiadores da ciência teriam a nos ensinar. Em primeiro lugar, caberia “depurar” as diferentes fontes pelas quais essas várias noções são forjadas, resultando na aparência de que seriam verdadeiras, coerentes ou o que o valha. Mas em segundo lugar caberia também, para além da depuração, mostrar como essas noções mesmas funcionam, pois mesmo que se acuse sua incoerência, essas noções acarretam em inúmeras consequências.

Disso tudo, fica aberta a tarefa de demonstrar como noções como “cloroquina”, “isolamento vertical”, “contaminação de rebanho”, “ensino remoto”, “princípio de equidade” para o uso da cloroquina e outras desviam-se de seus debates iniciais (quando simplesmente não brotam de debate nenhum) e acabam configurando compromissos não-científicos travestidos de ciência.

Naomar de Almeida Filho, epidemologista há 40 anos, demonstra como “isolamento vertical” é uma noção absolutamente pseudocientífica, embora renda pautas jornalísticas e debates inteiramente desnecessários. A história do “isolamento vertical”, inclusive, é bastante curta e de surpreendente proveniência, mistura de opinologia com ideólogos de ultradireita.

Surpreendentemente, ocorre algo muito semelhante com a história do uso recente da cloroquina, tal como Carlos Martins sugere as direções iniciais. Tais estranhezas se reforçam com invenções tais como “princípio de equidade” (um termo estende o uso da cloroquina à “livre-negociação” de remédios entre médico e acaba com um dos pilares da medicina, o de que a terapêutica deve ter relação objetiva com o sintoma). O próprio ex-ministro da saúde ressaltou precisamente essas direções, dizendo coisas que, em outra época, renderiam um escândalo nacional:

Segundo Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro busca passar a ideia de que há um remédio capaz de combater o coronavírus para que a população se sinta segura e seja possível afrouxar as medidas de isolamento social. “Ele (Bolsonaro) quer ter um medicamento para as pessoas sentirem confiança, para retomar a economia. A cloroquina, usada para malária, é a principal delas porque é barata. Tem outros por aí, como o Ivomec, usado para gado, o Remdesivir, usado para a aids. Mas nenhum com a eficácia comprovada”, afirmou.

Isolamento vertical e cloroquina não circulam sozinhas – como se vê, há várias outras noções -, mas tem funções precisas. A primeira delas é, sobretudo, relativizar o isolamento social, o que seria impossível sem tantas campanhas anticientíficas, já existentes antes da pandemia. A segunda função é a possibilidade de realizar lobbies políticos, às vezes contra o bem-estar da própria população (des)informada.

Mas, conforme dito, a tarefa continua aberta e não se refere apenas a questões médicas. Toda a esfera do Trabalho e da Educação estão aí para o dizer.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search