Blumenbach: Sobre o Impulso de formação e a geração

Isabel Fragelli traduziu a obra de Blumenbach, marco sobre a noção de Bildungstrieb na filosofia alemã do século XIX e repleta de consequências. Edição da UFABC. Compartilho o informe:

“A presente tradução de Über den Bildungstrieb und das Zeugungsgeschäfte para o português, inédita no Brasil, foi elaborada a partir da primeira edição da obra, publicada em 1781, pela editora Dieterich, em Göttingen. A tradução, realizada por Isabel Coelho Fragelli, procurou conservar a interessante intercomunicação existente entre os títulos dos parágrafos que compõem a obra, bem como o estilo consideravelmente informal da escrita do autor, que confere ao texto um tom muito mais ensaístico do que propriamente técnico-científico.

Foi durante suas férias no campo, ao desfrutar de um passatempo bucólico, que Blumenbach viu pela primeira vez a espécie incomum de pólipos verdes cujas investigações o levariam, um pouco mais tarde, a elaborar sua famosa teoria do Bildungstrieb. Assim como ocorrera com Newton, que fora conduzido à descoberta da lei da gravidade ao voltar sua atenção para um evento tão ordinário quanto a queda de uma maçã, também as ideias de Blumenbach a respeito da existência de um impulso de formação (Bildunstrieb) no interior da natureza foram proporcionadas pelo fato de que, na mencionada ocasião, graças a um “acaso feliz”, aquele curioso animal não lhe passara despercebido. 

O ensaio de Blumenbach tem grande importância, não apenas para a história da ciência, mas também para as pesquisas em filosofia. A partir de questões particulares da ciência biológica, a teoria do Bildungstrieb dialoga com alguns dos principais problemas filosóficos do século XVIII, exprimindo, a seu modo, o espírito geral do pensamento alemão que se constituiu naquela época. As noções de forma e formação (ambas compreendias no termo Bildung, investido de uma enorme riqueza conceitual nas filosofias do Idealismo e do Romantismo alemães) são mobilizadas por Blumenbach de tal modo que extrapolam as considerações teórico-científicas, envolvendo também, ao mesmo tempo, reflexões estéticas e metafísicas.

Não por acaso, autores como Kant, Goethe, Herder, Schelling, Schopenhauer e Hegel analisam e comentam, em suas obras, as contribuições feitas pelo naturalista alemão. O ensaio sobre o Bildungstrieb consiste, portanto, em uma leitura de grande interesse para aqueles que desejam compreender, de um modo mais profundo, os desenvolvimentos tanto da ciência quanto da filosofia deste período.”



Citar este post
Marcio L. M. (2020, 20 Maio). Blumenbach: Sobre o Impulso de formação e a geração. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1iy

Você pode gostar...

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search