Luther King sobre Thoreau

Martin Luther King ficou muito surpreso com o episódio de Rosa Parks – o “milagre de Montgomery” -, quando, em gesto de desobediência, ela recusou-se a dar lugar no ônibus para um branco. O episódio teve enorme repercussão e, a partir dele, organizou-se um boicote à empresa de ônibus.

Sendo pastor, Luther King deparou-se com um dilema moral “cristão”: o boicote representaria limitações à empresa de ônibus. Ao mesmo tempo, não boicotar seria reforçar o sistema no qual negros devem ser subservientes aos brancos.

Esse belo texto, que retoma a história da desobediência civil, cita uma passagem na qual Luther King resolve seu dilema recorrendo a Thoreau:

Usaríamos esse método para dar à luz a justiça e a liberdade, e também para estimular os homens a cumprir a lei da terra. Nosso interesse não seria falir a empresa de ônibus, mas trazer justiça ao seu negócio (…) vim a perceber que o que realmente estávamos fazendo era deixar de cooperar com um sistema perverso e não meramente retirar nosso apoio à empresa de ônibus. Esta última, sendo uma expressão externa do sistema, naturalmente iria sofrer, mas o objetivo básico era recusar-se a colaborar com o mal. Nesse ponto comecei a pensar em ‘A desobediência civil’ de Thoreau. Fiquei convencido de que o que estávamos nos preparando para fazer em Montgomery tinha relação com o que fora explicitado por Thoreau. Estávamos apenas dizendo à comunidade branca: Não vamos mais dar nossa colaboração a esse sistema perverso. A partir desse momento, passei a conceber nosso movimento como um ato popular de não cooperação.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search