O poder segundo Michel Foucault (Gérard Lebrun)

Excerto extraído de: Lebrun, Gerard. O que é Poder? Ed. Brasiliense, 1981, p. 19-21.

“Recentemente, um livro de Michel Foucault, A Vontade de Saber, mostrou que ele também rejeitava, e por razões inteiramente distintas das de Parsons, a teoria da “soma zero” [“o poder é uma soma fixa, tal que o poder de A implica o não poder de B”, p. 18]. Por isso eu gostaria de resumir três dos seus argumentos. 

  1. Por que reduzir a dominação à proibição, à censura, à repressão escancarada? Por que só pensar no poder enquanto limitador, dotado apeans do “poder do não”, prouzindo exclusivamente a “forma negativa do interdito”? O poder é menos o controlador de forças que seu produtor e organizador. Desde o fim do século XVIII, o poder político é, antes de mais nada, a instância que constitui os súditos sujeitos ao dobrá-los a suas pedagogias disciplinares (ensino, exército etc.). 
  2. Se esta verdade ainda passa desapercebida é porque, “no fundo, a representação do poder continua sendo obcecada pela monarquia”, e pela representação jurídica que ela suscitou. Daí a necessidade de “decifrar os mecanismos do poder” deixando de recorrer-se à personagem do Príncipe. O poder é instaurador de normas, mais que de leis. 
  3. Deixaremos, então, de representar o poder como uma instância estranha ao corpo social, e de opor o poder ao indivíduo. Afinal de contas, ainda é muito tranquilizante interpretar o poder apenas como “um puro limite imposto à liberdade”. Representação que, além disto, é muito grosseira. Na verdade, encontramos as relações de poder funcionando em relações muito distintas na aparência: nos processos econômicos, nas relações de conhecimento, no intercurso sexual… De modo que, “no princípio das relações de poder, não existe, como matriz geral, uma oposição binária e global entre dominantes e dominados”. 

Em suma, o poder não é um ser, “alguma coisa que se adquire, se torna ou se divide, algo que se deixa escapar”. É o nome atribuído a um conjunto de relações que formigam por toda a parte na espessura do corpo social (poder pedagógico, pátrio poder, poder do policial, poder do contra-mestre, poder do psicanalista, poder do padre, etc. etc.). Por que, nestas condições, conferir tanta honra ao tradicional e arcaico poder de Estado, constituído na época das monarquias absolutas européias?”


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Marcio L. M. (21 de Junho de 2024). O poder segundo Michel Foucault (Gérard Lebrun). áskēsis. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11vge


Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search