Walter Dill Scott – Increasing Human Efficiency in Business (1911)

O livro Increasing Human Efficiency in Business –  A Contribution to the Psychology of Business, de Scott, é um dos marcos do nascimento da Psicologia Industrial nos EUA. Conforme comenta Andrew Vinchur1, o livro é uma espécie de precursor dos livros atuais de conselhos nos negócios. É um apanhado de anedotas pessoais e resultantes de conversas com homens de negócios, com certa exposição de conhecimento sobre o conhecimento psicológico da época. Vinchur chama a atenção aos conceitos de fundo, que envolvem tanto o papel do “instinto” como algo que explica o comportamento (“por ex., todos os humanos homens tem instinto de caça”, Vinchur, p. 89), como características naturalizadas que separariam os americanos dos outros povos (assim, as necessidades dos nascidos nos EUA seriam maiores do que as dos imigrantes).

No início do século XX, afirma Scott, o país inteiro está absorvido nas máquinas e nas inovações que substituem o trabalho manual humano. Mas o esforço não é tanto para “aumentar a eficiência do trabalhador individual”2. Sendo reconhecida a eficiência – e as limitações – das máquinas, a seleção dos trabalhadores ganha importância, bem como o “fator humano” envolvido (p. 3). Nisso, não é difícil projetar uma fábrica, mas quanto ao indivíduo, ele precisa ser estudado “para ser trazido ao padrão dos máximos resultados já alcançados pelos materiais e processos” (p. 4), pois “poucos empregados conseguem reunir a força de trabalhadores eficientes e mantê-los em seu melhor” (p. 5). Além da seleção, portanto, há a importância de manter sua eficiência

Junto à eficiência do trabalhador individual, há o problema do supervisor ou capataz [foreman] e do administrador [manager] (p. 5-6) e a “aptidão em lidar com os homens” para extrair-lhes os melhores resultados (p. 6). Disso, Dill Scott retira os propósitos do livro: 

É o propósito deste e dos capítulos seguintes considerar alguns dos aspectos da natureza humana que podem ser postos em vantagem no cultivo da eficiência industrial e na eliminação dos movimentos desnecessários e dos esforços perdidos (Scott, 1911, p. 6)

Isso tudo, afirma ele, diz respeito a utilizar os princípios de psicologia “para influenciar outros homens a atingir seus fins” (p. 6), tornando-a “aliada” nas vendas e na indústria (p. 7). O aumento da eficiência está ligado à aplicação da ciência, incluso a psicologia. Chegou o tempo, diz Scott, de 

adotar uma compreensão das leis que governam o pensamento e a ação dos homens que fabricam e vendem seus produtos, bem como daqueles que os compram e os consomem (Scott, 1911, p. 7)

Ou ainda, 

Pela aplicação das leis físicas conhecidas o telefone e o telégrafo suplantaram o garoto de recados. Pelas leis da psicologia aplicada aos negócios, melhorias igualmente surpreendentes estão e serão asseguradas (p. 7)

Assim o aumento na carga de trabalho pode ser obtida. Como? Por “estímulos externos e esforço consciente” (p. 9), já que “todos os nossos processos físicos e musculares dependem da atividade do sistema nervoso”, a qual adquire seu melhor estado por estimulação repetida (p. 12). Por exemplo – Dill Scott retira seus exemplos de atletas, cavalos, feitos extraordinários e descobertas científicas -, um homem que acredita no que faz pode fazer melhor, e mesmo, “sob estímulos apropriados, estar hábil para continuar”, mesmo em condições que excedam em muito os ritmos corriqueiros (p. 11). Disso, “ambos a mente e o corpo foram treinados e acostumados a esforços os quais parecem quase impossíveis para os indivíduos ordinários” (p. 15). As condições para um hábito dependem dos estimulantes apropriados para mantê-lo, sem que o homem se extenue. 

Disso, Dill Scott relativiza inclusive o sobretrabalho: “muitas pessoas confundem o sobretrabalho com o que é realmente subtrabalho acompanhado de preocupação ou práticas não-higiênicas” (p. 20). Note-se que, se uma pessoa com resultados excepcionais é treinada para isso, resultados de “subtrabalho” muitas vezes podem vir não das pessoas, mas das condições oferecidas a elas. Disso, pode haver pessoas com “aptidões secundárias que não obstante ocupam altas posições nos negócios e no estado”, enquanto há “homens com excelente dotação nata [native] que jamais se puseram acima da mediocridade” (p. 21-22). Darwin, por exemplo, era um homem de “aptidão moderada” (p. 22) e “fisicamente fraco” (p. 23). O mesmo com homens de negócio como Cyrus H. McCormick, inventor da ceifadeira. Disso, 

“a eficiência humana não se mede em termos de energia muscular ou alcance intelectual. Ela depende de fatores diferentes da força nata [native] da mente e do corpo (p. 22)

A “atitude que alguém toma frente à vida em geral e seu chamado em particular é mais importante que a aptidão nata” (p. 22). Disso, dado o exemplo dos grandes homens, as indústrias não obtêm os resultados que poderiam, tampouco os indivíduos particulares. Eis então o propósito do livro de Dill Scott: oferecer “métodos específicos, muitos deles empregados por empresas individuais”, para “garantir sua própria eficiência e a de seus empregados” (p. 25). Cada método é vinculado a certas leis da psicologia. 

Quais os métodos? Eles estão discriminados no índice, e vão da imitação, competição, lealdade, concentração, soldos, prazer, o “amor ao trabalho” até o relaxamento.

Referência:

SCOTT, Walter Dill. Increasing Human Efficiency in Business –  A Contribution to the Psychology of Business. NY: Macmillan, 1911. Disponível em: <https://www.gutenberg.org/ebooks/1319>. Cópia escaneada: https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=hvd.32044051145506&seq=5

Índice

I. THE POSSIBILITY OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY……1
II. IMITATION AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY………………………………..26
III. COMPETITION AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY………………………………..48
IV. LOYALTY AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY………………………………..75
V. CONCENTRATION AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY………………………….104
VI. WAGES AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY……………………………….132
VII. PLEASURE AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY……………………………….165
VIII. THE LOVE OF THE GAME AND EFFICIENCY………..186
IX. RELAXATION AS A MEANS OF INCREASING HUMAN EFFICIENCY……………………………….204
X. THE RATE OF IMPROVEMENT IN EFFICIENCY…………223
XI. PRACTICE PLUS THEORY……………………….254
XII. MAKING EXPERIENCE AN ASSET: JUDGMENT FORMATION………………………………..276
XIII. CAPITALIZING EXPERIENCE: HABIT FORMATION……303



Citar este post
Marcio L. M. (2024, 22 Abril). Walter Dill Scott – Increasing Human Efficiency in Business (1911). áskēsis. Recuperado em 23 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/w99k

  1. VINCHUR, Andrew John. The early years of industrial and organizational psychology. Cambridge: Cambridge University press, 2018. []
  2. SCOTT, Walter Dill. Increasing Human Efficiency in Business –  A Contribution to the Psychology of Business. NY: Macmillan, 1911. Disponível em: <https://www.gutenberg.org/ebooks/1319>. Cópia escaneada: https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=hvd.32044051145506&seq=5 p. 3 []

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search