O sentido profundo da maiêutica socrática (Pierre Hadot)

Excerto extraído de HADOT, Pierre. Exercícios espirituais e filosofia antiga. SP: É Realizações Editora, 2014. (Coleção Filosofia Atual), p. 101-103

Otto Apelt caracterizou bem o mecanismo da ironia socrática: Spaltung und Verdoppelung; Sócrates desdobra-se para “cortar” o adversário em dois. Sócrates desdobra-se: há de um lado o Sócrates que sabe de antemão como vai terminar a discussão, mas há do outro lado o Sócrates que vai percorrer o caminho, todo o caminho dialético com seu interlocutor. Este último não sabe aonde Sócrates o conduz. Está aí a ironia. Sócrates, percorrendo o caminho com seu interlocutor, exige incessantemente um acordo total de seu parceiro. Tomando como ponto de partida a posição desse parceiro, ele o faz admitir pouco a pouco todas as consequências dessa posição. Exigindo a cada instante esse acordo, que é fundado sobre as exigências racionais do Discurso sensato, do Logos, ele objetiva a trajetória em comum e conduz o interlocutor a reconhecer que sua posição inicial era contraditória. Em geral, Sócrates escolhe como tema de discussão a atividade que é familiar a seu interlocutor e busca definir com ele o saber prático que é requerido para exercer essa atividade: o general deve saber combater corajosamente, o adivinho deve saber se comportar com piedade em relação aos deuses. E eis que, ao fim do caminho, o general não sabe mais o que é a coragem, o adivinho não sabe mais o que é a piedade. O interlocutor se dá conta então de que ele não sabe verdadeiramente por que age. Todo o seu sistema de valores lhe parece bruscamente sem fundamento. Até então ele se identificava de algum modo com o sistema de valores que comandava sua maneira de falar. Agora se opõe a ele. O interlocutor está então cortado em dois: há o interlocutor tal qual ele era antes da discussão com Sócrates e há o interlocutor que, no constante acordo mútuo, se identificou com Sócrates e, doravante, não é mais o que ele era antes.

O ponto capital, nesse método irônico, é o caminho percorrido em conjunto por Sócrates e seu interlocutor. Sócrates finge querer aprender algo com seu interlocutor: é aí que reside a auto-depreciação irônica. Mas, de fato, não obstante ele pareça se identificar com seu interlocutor, entrar totalmente em seu discurso, no final das contas é o interlocutor que, inconscientemente, entra no discurso de Sócrates, identifica-se com Sócrates, isto é, com a aporia e a dúvida, não esqueçamos, pois Sócrates nada sabe, ele sabe somente que nada sabe. Ao final da discussão, então, o interlocutor não aprendeu nada. Ele não sabe mais nada. Durante todo o tempo da discussão, porém, ele experimentou o que é a atividade do espírito, melhor ainda, ele foi o próprio Sócrates, isto é, a interrogação, o pôr em questão, o recuo em relação a si mesmo, isto é, finalmente, a consciência.

Esse é o sentido profundo da maiêutica socrática. Sabemos que no Teeteto Sócrates conta que tem a mesma profissão de sua mãe. Ela era parteira e assistia aos nascimentos corporais. Ele é parteiro de espíritos: assiste-os em seu nascimento. Ele mesmo nada engendra, pois nada sabe; somente ajuda os outros a engendrar a si próprios. A maiêutica socrática inverte totalmente as relações entre mestre e discípulo, como bem viu Kierkegaard: “Ser mestre não é martelar afirmações, nem dar lições para aprender etc.; ser mestre é verdadeiramente ser discípulo. O ensino começa quando tu, mestre, aprendes com o discípulo, quando tu te instalas naquilo que ele compreendeu, na maneira como ele compreendeu”.



Citar este post
Marcio L. M. (2024, 18 Março). O sentido profundo da maiêutica socrática (Pierre Hadot). áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/w172

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search