Platão, Górgias, 480a-e

Segue trecho do Górgias, 480a-d, sobre vigiar a si mesmo para não cometer atos injustos, utilizar a retórica para acusar a si próprio e expiar os atos injustos para não recair em “maior mal”.

[480a]1
Sōkratēs:
eien: ei oun dē tauta alēthē, ō Pōle, tis hē megalē khreia estin tēs rhētorikēs; dei men gar dē ek tōn nun hōmologēmenōn auton heauton malista phulattein hopōs mē adikēsei, hōs hikanon kakon hexonta. ou gar;

Pōlos
panu ge.

Sōkratēs
ean de ge adikēsē ē autos ē allos tis hōn an kēdētai, auton hekonta ienai ekeise hopou hōs takhista dōsei dikēn, para ton dikastēn hōsper para ton iatron, [480b] speudonta hopōs mē egkhronisthen to nosēma tēs adikias hupoulon tēn psukhēn poiēsei kai aniaton: ē pōs legomen, ō Pōle, eiper ta proteron menei hēmin homologēmata; ouk anagkē tauta ekeinois houtō men sumphōnein, allōs de mē;



Pōlos
ti gar dē phōmen, ō Sōkrates

Sōkratēs
epi men ara to apologeisthai huper tēs adikias tēs hautou ē goneōn ē hetairōn ē paidōn ē patridos adikousēs ou khrēsimos ouden hē rhētorikē hēmin, ō Pōle, ei mē ei tis  [480c] hupolaboi epi tounantion—katēgorein dein malista men heautou, epeita de kai tōn oikeiōn kai tōn allōn hos an aei tōn philōn tugkhanē adikōn, kai mē apokruptesthai all’ eis to phaneron agein to adikēma, hina dō dikēn kai hugiēs genētai, anagkazein te hauton kai tous allous mē apodeilian alla parekhein musanta eu kai andreiōs hōsper temnein kai kaein iatrō, to agathon kai kalon diōkonta, mē hupologizomenon to algeinon, ean men ge plēgōn axia ēdikēkōs  [480d] ē, tuptein parekhonta, ean de desmou, dein, ean de zēmias, apotinonta, ean de phugēs, pheugonta, ean de thanatou, apothnēskonta, auton prōton onta katēgoron kai hautou kai tōn allōn oikeiōn kai epi touto khrōmenon tē rhētorikē, hopōs an katadēlōn tōn adikēmatōn gignomenōn apallattōntai tou megistou kakou, adikias. phōmen houtōs ē mē phōmen, ō Pōle;

[480a]2
soc:
Seja! Se isso então é verdadeiro, Polo, qual é a gran­diosa utilidade da retórica? Pois, a partir de nosso consenti­mento vigente, o homem deve, sobretudo, vigiar a si mesmo para não cometer injustiça, pois contrairia, assim, um mal su­ficiente. Ou não?

pol: 
Com certeza.

soc:
E se ele ou qualquer outro homem que a isso se atente cometer alguma injustiça, ele próprio deverá se dirigir volunta­riamente aonde possa pagar o mais rápido possível a justa pena, apresentando-se ao juiz como a um médico, zelando para que a doença da injustiça não se torne crônica e não deixe na alma uma [480b] cicatriz incurável. Ou o que diremos nós, Polo, visto que nosso consentimento anterior persevera? Não é necessário que isto, dito assim, lhe seja consoante, e não de outra maneira?

p o l : 
E o que devemos dizer então, Sócrates?

soc:
Pois bem, para a defesa da injustiça, quer de sua própria injustiça, dos parentes, dos amigos, dos filhos ou de sua pátria, a retórica não nos é minimamente útil, Polo, a não ser que alguém conceba seu uso em sentido contrário: deve-se acusar antes de tudo [480c] a si mesmo, e então os familiares ou qutro amigo qualquer sempre que se cometa alguma injustiça; ao invés de ocultá-lo, deve-se trazer à luz o ato injusto, a fim de pagar a justa pena e se tornar saudável; deve-se constranger a si mesmo e aos demais a não se acovardarem, mas a se apresentarem, de olhos cerrados, correta e corajosamente como se fosse a um médico para algum corte ou cauterização, encalçando o bem e o belo e não cogitando a dor, apresentando-se para ser açoitado, se o ato injusto merecer o açoite, para ser preso, se merecer a prisão, para ser punido, se merecer a punição, para ser [480d] exilado, se merecer o exílio, para ser morto, se merecer pena de morte; deve-se ser o primeiro a acusar a si próprio e aos demais familiares, e utilizar a retórica com este escopo, a fim de que, uma vez fulgidos os atos injustos cometidos, se livrem do maior mal, da injustiça. Devemos ou não devemos falar assim, Polo?



Citar este post
Marcio L. M. (2024, 5 Março). Platão, Górgias, 480a-e. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/vyl0

  1. Plato. Platonis Opera, ed. John Burnet. Oxford University Press. 1903. []
  2. Platão. Górgias. SP: Editora Perspectiva, 2011. []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search