A aula e a videoaula

Durante a pandemia eu gravei várias videoaulas para os alunos. Cada aula equivalia a um vídeo.

Os vídeos foram guardados e eu os disponibilizei como material complementar, para uso restrito dos alunos. Acho muito interessante quando os alunos os utilizam como tal: há em primeiro lugar a leitura dos textos, depois a aula, a monitoria, e por último, também os vídeos.

Vídeo nunca foi método pedagógico, e sim material didático complementar. É para isso que um vídeo serve.

E a respeito da função dos vídeos, vale dizer que não é à toa que a educação anda tão fraca. A pandemia acelerou um tema horrível, de fundo mercadológico, que foi revestido como “método pedagógico”: o mito de que videoaulas poderiam substituir aulas.

Mas quem experimenta os dois sabe da distância abissal entre um e outro. É carnal.

Como seres humanos, somos capazes de aprender qualquer coisa de qualquer jeito. Um dos livros mais importantes do século XX, o Tractatus de Wittgenstein, foi escrito na lama e nas trincheiras da Primeira Guerra. Einstein compôs várias de suas equações como secretário numa repartição. O homem é assim, capaz de aprender com qualquer coisa.

Mas não é disso que trata a pedagogia. Ela serve para desenvolver métodos e meios (“mídias”) para que alguém aprenda. E alguém sempre aprende mais e melhor quanto mais meios obtiver para isso. E o meio no qual a maior parte dos demais meios ocorrem é o meio da aula presencial, com o corpo presente, o diálogo, o cuspe e o giz (e todos os meios importantes relacionados).

Inclusive o termo “aula presencial” é errado. Ele faz pensar que existe a “aula presencial” e a “aula não-presencial” como noções simétricas. Mas não há simetria. O que não é presencial não é exatamente uma aula, e sim uma mídia, um recurso didático. Assistir um vídeo não equivale a assistir uma aula, mesmo que o vídeo faça parte de uma estratégia pedagógica. A não ser, é claro, que chamemos qualquer coisa de “aula”. Mas aí a palavra “aula” perde o sentido e precisamos decidir se nos tornamos espécies de místicos (para os quais tudo é ocasião de aprendizado, “aula” ou “prova” de vida) ou especuladores financeiros da educação.

É nesse ponto que reside uma confusão delicada e com vastos e terríveis resultados. Não é à toa que os índices de educação caem vertiginosamente: as pessoas, achando que recursos remotos são aula, estão abandonando as aulas.



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 26 Outubro). A aula e a videoaula. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1mv

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search