Breve consideração sobre Ich, Eu, “ego” em psicanálise

Há nos últimos anos uma reviravolta de terminologia na psicanálise brasileira, ocasionada por novas traduções de Freud. Essas novas traduções, apesar de diferentes entre si, tentam corrigir ao menos dois problemas:

  • a tradução da Imago, que era uma tradução do inglês e não do alemão
  • os termos da psicanálise inglesa, que também traduziam Freud sob certos propósitos.

O esforço é louvável e necessário. Mas há aí alguns poréns, e um deles circunda a noção de Ich, Eu, “ego”.

Os ingleses haviam vertido o Ich freudiano no termo “ego”, que emplacou por muitos anos no Brasil. Nada mais justo do que retraduzir Ich por “Eu”, o que se fez em traduções como as da Autêntica e da Cia das Letras.

Mas há um problema: a noção de “ego” não é apenas um termo freudiano, pois os próprios ingleses e norte-americanos, ao traduzir Ich por ego, criaram novas teorizações, diferentes das de Freud.

O exemplo mais marcante é o da Egopsychology, “Psicologia do Ego”. O número de autores associado não é pequeno, começando por Heinz Hartmann, Rudolph Lowenstein, Ernst Kris e diversos outros. E Hartmann et al. julgavam seguir Freud, incluindo ainda novas contribuições à psicanálise. Eles postulavam que um dos propósitos principais de Freud era o de ampliar o escopo da psicanálise numa psicologia geral. Hartmann chegava a dizer que a psicanálise sem o objetivo de uma psicologia geral seria algo como uma medicina sem fisiologia1. Eis aqui o que justificaria o termo: Psicologia do Ego (Egopsychology).

Veja-se Lowenstein (ex-analista de Lacan) escrevendo em 1966 (ano da publicação dos Écrits de Lacan) o seguinte sobre Hartmann (e num verdadeiro pitaco contra Lacan)2:

Hartmann (…) é profundamente versado no pensamento de Freud e, a despeito de alguns outros autores analíticos, sempre tem sido cuidadoso em situar suas novas formulações e conceitos no quadro geral da teoria psicanalítica

“Ego” não é apenas um erro de tradução, é um conceito de implicações históricas.

Lacan, por exemplo, em 1951 fez uma fala intitulada Some reflexions on the Ego3, que foi publicada apenas em 1953, mas durante as plenas polêmicas ocorridas na França entre Lacan e – precisamente – as psicologias do ego.

Como traduzir o termo lacaniano? Certamente é “Eu”, e a tradução francesa, da Le coq-héron, verteu em “Moi”4. Mas manter a referência pura e simples a “Eu” apaga a existência mesma da polêmica, que circundava precisamente a apropriação dos norte-americanos e que levaria, segundo Lacan, à necessidade de um “retorno a Freud” (a tradução francesa faz ainda mais: ela importa termos enunciados apenas depois, como “objeto a”, no corpo de um texto passado). Esse texto inteiro de Lacan, por exemplo, pretende polemizar precisamente a apropriação da “descoberta freudiana” em termos de psicologia do ego, Egopsychology, e não “psicologia do eu”.

Isso é um pouco semelhante à apropriação do termo alemão Naturwissenschaften, que sempre foi traduzido como “ciências do espírito”, mas mais recentemente tem sido escolhido como “ciências humanas”. É certo que as “ciências humanas” se constituíram em certa polêmica frente às ciências naturais. Mas apagar o termo “espírito” é como esquecer toda a vinculação histórica das “ciências humanas”, e das formulações de figuras como Dilthey, junto aos debates que ocorriam na Alemanha desde o século XIX, tributários da tradição romântica e hegeliana. Poderia-se por exemplo adotar nas traduções “ciências humanas” e “ciências do espírito” quando o contexto requer, bastando justificar com notas de rodapé explicativas.

O mesmo tipo de questão poderia se dirigir à psicanálise. Deve – ou deveria – haver algum recurso que evite tais apagamentos históricos e conceituais. Notas de rodapé que situem os termos e as escolhas de tradução seriam um bom começo. Sem isso, escritos inteiros são oferecidos ao leitor brasileiro sob um certo dogmatismo difícil de entender, e isso quando as traduções não passam a emanar certa aura hermética. No campo da psicanálise – tão atacada e incompreendida -, então, tais cuidados deveriam ser triplicados.



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 19 Setembro). Breve consideração sobre Ich, Eu, “ego” em psicanálise. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1mt

  1. HARTMANN, Heinz. Influencias mutuas en el desarrollo del yo y del ello [1951]. InEnsayos sobre la Psicología del Yo. [s.l.]: Fondo de Cultura Economica, 1987. []
  2. In: ALEXANDER, F.; EISENSTEIN, S.; GROTJAHN, M. Psychoanalytic Pioneers. [s.l.] Transaction Publishers, 1995, p. 475 []
  3. LACAN, Jacques. Some reflections on the ego – Conference on the British Psycho-Analytical Society in mai 2, 1951. International Journal of Psychoanalysis, v. 34, p. 11–17, 1953. []
  4. LACAN, J. Quelques réflexions sur l’ego. Le coq-héron, n. 78, 1980, pp. 3-13 []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search