Uma breve passagem sobre Lacan (2)

A passagem abaixo é traduzida do Discurso de Roma, de 26 de setembro de 1953, na edição brasileira dos Outros Escritos, p. 160:

Para que a decisão sobre o verdadeiro e o falso se livrasse do ordálio, única prova, durante muito tempo, a contradizer o absoluto da fala, foi preciso, de fato, que os jogos da ágora, no decorrer do trabalho em que se deu um “sentido mais puro” às palavras em confronto entre as tribos, isolassem as regras da justa dialética mediante a qual ter razão era sempre triunfar sobre o contraditor.

A edição de 1953 do mesmo texto diz o seguinte na p. 247:

Pour que la décision du vrai et du faux se libérât de l’ordalie, longtemps seule épreuve à opposer à l’absolu de la parole, il a fallu en effet que les jeux de l’agora, au cours de l’œuvre où se donna « un sens plus pur » aux mots s’affrontant des tribus, dégagent les règles de la joute dialectique par quoi avoir raison reste toujours avoir raison du contradicteur.

A tradução castelhana, de Paola Gutkowski e Pablo Peusner, diz o seguinte:

Para que la decisión entre verdadero y falso se liberara de la ordalía -hace largo tiempo única prueba para oponer a lo absoluto de la palabra- fue necesario, en efecto, que los juegos del ágora, en el curso de la obra en que se da “un sentido más puro” a las palabras que enfrentan tribus, dedujeran las reglas de la justa dialéctica por las que “tener razón” implica siempre que la razón sea otorgada por el adversario.

No decorrer do texto, Lacan estava comentando sobre a ordem simbólica e a questão do “reconhecimento” na linguagem, e para isso empregava a questão da palavra (mot) e o exemplo da senha: uma senha é um significante que não diz apenas o que significaria à primeira vista, pois ao ser senha e significar uma palavra de passe também faz ver, como diz a p. 158 da edição brasileira, uma “virtude de reconhecimento ligada ao material da linguagem”. Em jogo está a ordem simbólica, e com ela o reconhecimento, a implicação dialética entre aqueles que falam e da fala como “fundadora do sujeito” (p. 158). Essa ordem simbólica não se destaca de uma cadeia causal, mas a condiciona, ou como diz Lacan, há um “englobamento da ordem simbólica” implicando uma “captura do real” (p. 159).

Nesse contexto entra o caso da dialética grega. Ela, como diz Lacan, ocorre num momento em que há certa “purificação” do uso da palavra para além do simples ordálio. Para além do ordálio, permanece então uma outra justa [joute], uma disputa que, por ser dialética e não ser apenas da ordem do pars destruens, não implica a destruição do adversário mas uma composição de razões, algo novo, algo que se funda a partir do momento em que se fala. É por isso que Lacan conclui que, com a dialética grega, “dégagent les règles de la joute dialectique par quoi avoir raison reste toujours avoir raison du contradicteur”.

Disso entra a questão: quer dizer Lacan que na Grécia destaca-se as regras dialéticas para uma justa na qual “ter razão era sempre triunfar sobre o contraditor”, ou lá, na Grécia, “tener razón implica siempre que la razón sea otorgada por el adversario“? Num caso, é o triunfo puro e simples sobre o outro; no outro, é ter razão a partir da outorga de um outro.

A solução da tradução brasileira – “sempre triunfar sobre o contraditor” – retira a implicação do uso da razão referente ao contraditor que está exposta na versão francesa, “les règles de la joute dialectique par quoi avoir raison reste toujours avoir raison du contradicteur“, algo como “ter razão é sempre ter a [anuência da] razão do contraditor”. A idéia em questão não é a do simples triunfo sobre o contraditor, e sim que o triunfo implica o reconhecimento desse triunfo pelo adversário, ou que “ter razão implica sempre [ao menos no caso em questão] que a razão seja outorgada pelo adversário”, conforme a escolha dos tradutores argentinos.

Talvez a tradução para o trecho poderia ser semelhante ao que segue:

Para que a decisão sobre o verdadeiro e o falso se livrasse do ordálio – única prova, durante muito tempo, a contradizer o absoluto da fala -, foi preciso, de fato, que os jogos da ágora, no decorrer do trabalho em que se deu um “sentido mais puro” às palavras em confronto entre as tribos, isolassem as regras da justa dialética nas quais ter razão implica sempre que a razão seja outorgada pelo contraditor.



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 21 Agosto). Uma breve passagem sobre Lacan (2). áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1ms

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search