O Mastodon e o Fediverso

Após a compra do Twitter por Elon Musk, diversas notícias controversas passaram a circular, tais como demissões em massa, manipulação do algoritmo em prol de posts de ultradireita e contra sites concorrentes como o Substack. Muitos usuários abandonaram a plataforma, tal como ficou célebre no meme de “ir para o Koo“.

Dentre tais consequências, a debandada também foi para o Mastodon. Essa rede social funciona de modo semelhante ao twitter: os posts são curtos (até 500 caracteres) e cada usuário segue e tem seguidores, favorita (o equivalente a “curtir”), salva posts, cria listas… mas as semelhanças terminam aqui.

O Mastodon não é uma rede de Big Tech. Isso significa dizer que o usuário não é meio para um fim (no twitter e demais Big Techs ele é meio para fins ligados aos anunciantes), mas o próprio fim.

Como tal, o Mastodon não é unitário, mas uma espécie de federação dividida em “instâncias“. Cada instância (há várias brasileiras) funciona como uma comunidade particular, portanto os nomes não são apenas separados por arrobas, mas por dupla arroba (por exemplo @usuario@instancia). Esse duplo endereço permite que as diversas instâncias se comuniquem.

Para se inscrever, basta visitar uma instância. Algumas delas permitem inscrição automática, outras moderam as entradas.

A moderação é outra diferença. Cada instância tem regras próprias e nem todas as instâncias se relacionam com todas, apesar de persistir a rede de conjunto. Mas no geral, a presença da moderação diz respeito às redes não permitirem o que se tem visto nas redes de Big Data. Entrando numa instância, o ambiente parece imediatamente mais acolhedor. Além disso, não parece ser mais importante o “impacto” de um perfil, e sim as relações “orgânicas” (digamos assim) que vão se estabelecendo.

Sob tal lógica, não há uma empresa central visando lucro com anunciantes em cima da visitação e “engajamento” dos usuários. A figura do influencer é minorizada. Isso não significa não produzir bom conteúdo, e sim que a produção de conteúdo não visa primeiramente o engajamento sem conteúdo, o “seguir porque os outros seguem” ou o “compartilhar para que os influencers me vejam”. O conteúdo, e não quem postou, volta a ficar em primeiro plano. Além disso, o tão visível engajamento proporcionado por política de ódio e haters de plantão perde força nesse tipo de ambiente (esse é um detalhe importante, pois política de ódio tende a ocasionar reações em contrário e, portanto, engajamento, o que favorece nas Big Techs especialmente a política de ódio em detrimento de outros conteúdos).

Mas o Mastodon não é apenas uma rede “tipo o twitter, mas com instâncias”. Essa federação de pequenas instâncias também faz parte de uma rede federada, o “Fediverso“, que agrega tanto as instâncias do Mastodon quanto diversas outras (Fediverso = federações + universo).

No Fediverso constam, por exemplo, redes de compartilhamento de vídeo que emulam o Youtube, chamadas de Peertube. Ou ainda, há federações de blogs, tais como os baseados em Plume, Write Freely ou Write as (o wordpress também anunciou integrações com sua plataforma), ou de photoblogs como o Instagram, tais como o Pixelfed. As possibilidades de desenvolvimento sob o Fediverso são muito maiores. Elas parecem muito com o discurso que se atribuía ao Facebook nos inícios, com a possibilidade de cada usuário criar novas possibilidades.

O Mastodon tem algumas questões aparentes, tais como sobre a manutenção do conteúdo. É possível migrar o próprio @nome entre diferentes instâncias, levando os “seguidores” consigo, mas o conteúdo já publicado não vai junto. As Big Techs pretendem guardar tudo o que um usuário faz, e isso por um motivo simples, o de ter conteúdo para ser coberto pelos algoritmos de publicidade. Quanto ao Mastodon e outros meios do Fediverso, manter os dados em regime de “long term” parece ainda ser um desafio.

Noves-fora, a experiência parece ampliar possibilidades existentes e, em certos sentidos, é um retorno a tempos nos quais a internet parecia estar mais na mão do internauta do que das grandes empresas.



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 10 Abril). O Mastodon e o Fediverso. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1mg

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search