Michel Foucault não é um tesouro

Tradução de: ARTIÈRES, Philippe; POTTE-BONNEVILLE, Mathieu. Michel Foucault n’est pas un trésor. Le Monde, 18/05/2012. Disponível em: <https://www.lemonde.fr/m-styles/article/2012/05/18/michel-foucault-n-est-pas-un-tresor_1703768_4497319.html>.

Philippe Artières e Mathieu Potte-Bonneville, Le Monde, 18/05/2012.

O filósofo queria que seu trabalho permanecesse aberto a todas as leituras e leitores possíveis. Para não o trair, é preciso então assegurar que seus arquivos, embora classificados recentemente como “tesouro nacional”, sejam amplamente acessíveis.

A classificação de “tesouro nacional” para os 37 mil folhetos (manuscritos, textos, notas datilografadas) compostos pelos arquivos de Michel Foucault levanta uma série de questões quanto ao futuro desse acervo, num debate no qual se cruzam considerações financeiras, questões nacionais (pois cogitou-se a aquisição desses arquivos por uma biblioteca universitária americana) e uma competição entre diversas instituições francesas (ler “Le Monde des livres” de 27 de abril). 

Leitores de Foucault, não cabe a nós resolver essas disputas. Entretanto, gostaríamos de introduzir na discussão uma observação bastante simples: a obra de Michel Foucault é inteiramente atravessada pelo cuidado do arquivo; ele dedicou a este sua “arqueologia do saber” e durante sua vida assombrou as bibliotecas. Haveria então um pouco de cegueira caso não interrogássemos sobre o destino de seus próprios arquivos à luz de seus trabalhos, para imaginar as formas de conservação e valorização dessa massa de coisas ditas que ele deixou à deriva até nós. 

O aparecimento desses folhetos faz jus à tentação de acreditarmos que um dia disporíamos, sobre Foucault, de algo como suas “obras completas”. Essas milhares de páginas, de fato, intervêm como mais uma arrebentação de onda na história das publicações de Foucault nas quais, há trinta anos, cada nova onda editorial derruba os diques que se acreditavam ter sido construídos em torno da obra, os limites em torno dos quais parecia possível contê-la. Desde 1994, os quatro tomos dos Ditos e Escritos acrescentavam às obras publicadas em vida um amontoado de prefácios, entrevistas, intervenções e artigos que lhes modificavam a compreensão; a publicação, iniciada em 1997 e ainda inacabada dos cursos no Collège de France, excedem bastante o volume de livros que o autor de As Palavras e as Coisas escolheu publicar. Longe de se completar, a cada vez o quebra-cabeças se mistura de novo. Os arquivos de Foucault comprovam assim a definição que ele dava ao discurso, arrancando-o pouco a pouco da intenção do Autor e do horizonte da Obra – ninguém pode pretender ser o dono de suas dispersões, e claramente os arquivos se oferecem sempre mais a um número indefinido de percursos possíveis.

Ora, desses percursos de interpretação o traçado não está predefinido nos próprios arquivos; seu desbravamento cabe essencialmente aos leitores. É preciso aqui lembrarmos do modo pelo qual Foucault afirmava escrever “para utilizadores”, ou evocava seu gosto pelos “textos práticos e que são objeto de práticas”. Essa figura do leitor-utilizador é essencial: de saída ela põe fora de jogo qualquer noção de propriedade e de leitura autorizada, convida a estabelecer com os textos uma relação de empréstimo que os deixa livres para outros usos possíveis, como alguém sabiamente devolve seu livro à biblioteca comunitária. Além disso, a ideia de uso traça uma linha oblíqua entre leitores iniciados ou profanos, desinteressados ou engajados, especializados ou exóticos; isso não quer dizer que todas as leituras sejam igualmente interessantes, mas que seu uso pode ser decidido “no uso” e não a priori. Pois o sentido de um texto não é uma reserva a descobrir, mas um instrumento a inventar; não se poderia, em nome da ciência, restringir o acesso a essa ou aquela comunidade interpretativa, concedendo a si próprio o direito exclusivo se fazer o intermediário. Enfim, que Foucault tenha escrito para usuários, isso sugere que ele não pretendia ver seus trabalhos confinados no campo fechado das controvérsias teóricas, mas também esperava vê-los produzir efeitos no seio de questões culturais, sociais e políticas, torná-los (segundo os próprios termos) “ao mesmo tempo batalha e arma, estratégia e choque”. 

Como ser fiel a esse imperativo? Afirmando o seguinte: do ponto de vista dos utilizadores, a questão não é de saber se os arquivos de Foucault devem tornar-se estrangeiros ou permanecerem no país; o problema é o de entender que eles não constituem em nada um “tesouro”. Tesouros pedem cofres fortes, excitam colecionadores, atraem caçadores de tesouro – e também é de se temer que um tal tratamento dos arquivos reative a tensão entre a tentação de restringir seu acesso, de transformá-los mais em objeto de prestígio do que de pesquisa, e de fazer circular clandestinamente fragmentos disparatados, cintilações brilhantes arrancadas do conjunto, quando – pelo contrário – são as circulações no seio do corpus as que são fecundas. Permitir aos leitores o acesso mais direto possível a esse conjunto documental é uma questão primordial, que não se deduz mecanicamente de considerações mercantis, institucionais ou patrióticas: por exemplo, seria bom que os arquivos-Foucault permaneçam em território francês, se os pesquisadores do Sul se encontram ao mesmo tempo, por falta de vistos, proibidos de consultá-los, como ocorre frequentemente hoje em dia? Qualquer que seja a solução finalmente decidida para o acolhimento material desses arquivos, apelamos para que o conjunto desses arquivos seja objeto de uma digitalização global que assim permita a mais ampla consulta internacional, conforme a essa comunidade mundial de utilizadores do pensamento que as tecnologias contemporâneas de informação fazem nascer e da qual Foucault talvez tenha sido o primeiro pensador. Enquanto a financeirização dos arquivos intelectuais tende a se impor como norma, e em face de debates já ocorridos a propósito de outros acervos, teria-se aí uma indicação para um outro modo de abordar o problema – maneira mais conforme aos meios e desafios da pesquisa atual, ao invés do fetichismo dos folhetos amarelados, de buscas à pérola rara ou da emoção suscitada pela grafia do Mestre. 

É o uso, mais do que o tesouro. Reeditando em 1972 Histoire de la folie à l’âge classique, Foucault escrevia sobre seu livro: “Quanto à novidade, não finjamos desdobri-la nele, como numa reserva secreta, numa riqueza inicialmente não percebida: ela apenas consiste de coisas que foram ditas sobre ele, e de acontecimentos nos quais ele foi tomado”. As novas leituras não estão embalsamadas em sarcófagos de papel, como num segredo a preservar ou a pilhar; elas precisam ainda ser inventadas, contanto que seus utilizadores futuros possam desenhá-las a partir de arquivos amplamente disponíveis.



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 21 Março). Michel Foucault não é um tesouro. áskēsis. Recuperado em 17 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1me

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search