Cassirer: observação, experimento e teoria (excerto em torno do idealismo transcendental de Kant)

O excerto abaixo pertence ao capítulo sobre a Crítica da Razão Pura de Kant – Vida e Doutrina, livro de Cassirer de 19181. A citação diz respeito à constituição da objetividade e circunda, para isso, noções como as de observação, teoria e experimentação, para mostrar como Kant se destaca, para compor sua Crítica, de posições pregressas ou mesmo de análises tais como as matemáticas, as empíricas em geral ou as ligadas à física clássica. A passagem de Cassirer dá vazão a discussões que perdurarão nos séculos XIX e XX em torno dos termos destacados, muitas delas buscando criticar o legado kantiano. O excerto serve para propósitos didáticos.

[p. 158]

E, de fato, o “idealismo transcendental” de Kant não tenciona apagar a peculiaridade do conhecimento empírico, mas busca na afirmação dessa peculiaridade seu mérito essencial. É conhecido o dito de Kant, de que seu campo seria o “fértil bathos da experiência”. Mas também para a própria nova determinação crítica do conceito de experiência vale a instrução geral de que mesmo aqui temos de começar não com o exame do objeto, mas com a análise do conhecimento. O que o objeto empírico é, o que a coisa singular da natureza é, e se é acessível a nós de outro modo além de através da percepção imediata de suas notas características singulares – é uma questão que por enquanto precisa permanecer aberta. Pois de maneira geral, antes de ela poder ser colocada com sentido, [p. 159] precisamos ter alcançado com toda clareza o que significa o tipo de conhecimento da ciência da natureza, o que é a física segundo sua construção e sua sistemática.

E aqui imediatamente percebemos uma dificuldade fundamental do modo de exame tradicional. Seguimos esse ponto de vista até o ponto em que admitimos que o objeto da matemática na verdade se funda nos estatutos puros do pensamento e, nessa medida, tem somente validade “ideal”, enquanto o objeto da “física” só nos é dado e se faz compreensível através das diferentes classes de percepções sensíveis. Assim poderíamos entender, por um lado, como é possível uma teoria matemática pura, por outro lado, como é possível um “empirismo puro”, isto é, como pode haver, por um lado, um complexo de proposições que, independentemente de toda a experiência, só pode agir sobre os conteúdos que podemos criar na construção livre e, por outro lado, como pode ser construída uma ciência descritiva que consiste apenas em observações individuais reais de determinadas coisas. O que permaneceria completamente inexplicável sob esse pressuposto é o entrelaçamento peculiar de ambos os momentos que encontramos na estrutura real da ciência matemática da natureza. Pois nela a “mensuração” não caminha simplesmente ao lado da “observação”, nela “experimento” e “teoria” não ficam simplesmente em oposição um ao outro ou se revezam mutuamente, mas se condicionam mutuamente. A teoria leva ao experimento e determina o caráter do experimento, como o experimento determina o conteúdo da teoria. Novamente, o prefácio à segunda edição da Crítica da razão pura, no seu exame transcendental geral de todo o campo do conhecimento, expôs essa relação com uma clareza magistral e insuperável.

“Quando Galileu fez rolar suas esferas em um plano inclinado com um peso por ele mesmo escolhido, ou quando Torricelli fez com que o ar suportasse um peso que ele acreditara de antemão ser igual ao de uma coluna de água por ele conhecida, ou quando Stahl, em tempos mais recentes, transformou metal em cal, e esta novamente em metal, simplesmente retirando e devolvendo algo a esses materiais: assim ocorreu uma luz a todos os pesquisadores da natureza. Eles compreenderam que a razão só entende aquilo que ela mesma produz segundo seu projeto, e que ela tem de colocar-se à frente, com os princípios de seus juízos segundo leis constantes, e forçar a natureza a responder às suas perguntas em vez de apenas deixar-se conduzir por ela, como que puxada por uma corda; pois do contrário as observações, contingentes e feitas sem nenhum plano previamente concebido, não seriam articuladas sob uma lei necessária, algo que a razão busca e necessita. A razão tem de dirigir-se à natureza com seus princípios numa mão, os únicos sob os quais fenômenos coincidentes podem valer como leis, e com o experimento que concebeu a partir [p. 160] deles na outra; e isso para de fato aprender com ela, mas não na qualidade de um aluno que recita tudo o que o professor quer, e sim na de um juiz constituído que força as testemunhas a responder às perguntas que lhes faz. E, assim, até mesmo a física, no que diz respeito à tão frutífera revolução no seu modo de pensar, tem de agradecer unicamente à circunstância de procurar (não imputar) na natureza aquilo que a própria razão nela introduziu, para assim aprender com esta algo que não aprenderia por si mesma. Desse modo, a ciência da natureza, depois, de muitos séculos sem ser nada mais que um tatear às cegas, foi trazida pela primeira vez para o caminho seguro de uma ciência” (Crítica da Razão Pura, B XIIss).

Mesmo que a percepção particular sensível ou a mera soma de tais percepções possa ser capaz de prescindir do “projeto” prévio da razão, é somente ele, com efeito, que determina e possibilita o experimento, a “experiência” no sentido do conhecimento físico. Com isso, impressões sensíveis isoladas podem se tornar “observações” e “fatos” físicos. Para isso, antes de tudo a multiplicidade e diversidade qualitativa das percepções, inicialmente pura, precisa ser convertida numa multiplicidade quantitativa. Para isso, o agregado das sensações [Empfindungen] deve ser referido a um sistema de grandezas mensuráveis. Aideia de um tal sistema oferece as bases a todo experimento individual. Antes que Galileu pudesse “medir” a grandeza da aceleração em queda livre, a própria concepção de aceleração, simultaneamente ao instrumento de mensuração, precisava antecedê-la. E essa concepção matemática era a que já separava sua mera questão daquela da física escolástica medieval. O resultado do experimento decidia apenas sobre qual grandeza aplicar à queda livre. Mas, que em geral tal grandeza precise ser buscada e exigida era o que, para Galileu, estava de antemão definido segundo o “projeto da razão”, a partir do qual o experimento pôde ser pela primeira vez excogitado. Apenas a partir daí a construção da física matemática se torna verdadeiramente transparente. A teoria científica da natureza não é um híbrido lógico, ela não é resultado da interligação eclética de componentes heterogêneos. Ela forma um método fechado e unitário.

Compreender essa unidade e, analogamente, explicar a unidade da matemática pura a partir de um princípio fundamental universal é a tarefa que a crítica transcendental coloca para si. Na concepção dessa tarefa, ela superou tanto a parcialidade do racionalismo como a do empirismo. Nem o apelo ao conceito, nem o apelo à percepção e à experiência atingem, como agora se mostra, a essência da teoria da ciência da natureza. Pois ambos destacam sempre apenas [p. 161] um momento singular, em vez de determinar a peculiar relação dos momentos da qual depende aqui a decisão toda. (…)



Citar este post
Marcio L. M. (2023, 14 Fevereiro). Cassirer: observação, experimento e teoria (excerto em torno do idealismo transcendental de Kant). áskēsis. Recuperado em 17 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1mc

  1. CASSIRER, Ernst. Kant: vida e doutrina. Trad. Rafael Garcia; Leonardo Rennó Ribeiro Santos. Petrópolis: Vozes, 2021. []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search