Das listas de discussão e dos chats ao algoritmo e à ultradireita

Há alguns anos, quando na internet reinavam as listas de discussão e chats como os do mirc, a qualidade das discussões sempre foi como as de qualquer outra época do mundo: as pessoas simplesmente conversavam. 

Mas aí havia algo muito interessante: de algum modo, tanto os chats quanto as listas de discussão se auto-moderavam. Existia, claro, moderadores, que também poderiam banir ou excluir usuários. Mas as relações sociais mesmas também tinham certa dinâmica na qual, quando alguém exagerava, passava da linha, cometia ofensas, movia-se a moderação e ela acontecia – seja espontaneamente, pelos próprios membros do grupo, seja pela mão do moderador. 

Há 20 anos, quem vacilasse num ambiente virtual era simplesmente excluído, banido, calado, colocado para escanteio, mesmo que por alguns instantes.

Tais coisas, entretanto, mudaram. E isso é uma questão de plataforma, de base sobre a qual se movem as demais interações.

Numa lista de discussão, por exemplo, duas coisas poderiam desencadear um número maior de e-mails ou de respostas do que o usual. A primeira é, naturalmente, a oferta de um assunto interessante. Afinal, é para isso que qualquer rede de internet foi criada. Pessoas buscavam assuntos relevantes simplesmente porque são relevantes. Isso fazia aumentar, como se diz hoje, o engajamento.

O segundo fator de maior interação é a briga, a ofensa, o dizer algo que ocasiona ruptura e cria ameaças contra a permanência do ambiente virtual. Por reação de defesa dos demais participantes da lista, mais mensagens começavam a surgir e circular e, conforme se diz hoje, isso também ocasionava um maior engajamento. Mas sua função precisa desse engajamento era reagir, conter, inibir movimentos de disrupção.

Mas dos anos 2010 para cá, conforme dito, algo mudou. 

Em primeiro lugar, a distância entre um conteúdo interessante e um conteúdo disruptivo ou de ódio simplesmente diminuiu, se não foi suprimida.

Não enxergar isso é o erro primário de muita gente, inclusive graúda, tais como Elon Musk. Ele acredita – estou parafraseando – que redes como o twitter precisam dar voz tanto para a “ultradireita” quanto para a “esquerda radical” (far right and far left). Mas dizer isso significa dizer que pessoas que fazem campanha para depor governos democráticos, perseguir e até matar discordantes, dissolver os três poderes, por vezes simpatizar com o fascismo, essas pessoas teriam tanto direito de manifestar suas “opiniões” quanto quaisquer outras. 

Isso é um erro crasso e criticável por qualquer filosofia política com o mínimo de critério. Por pretexto de “liberdade de expressão”, um ambiente que admite como normal e corriqueiro o discurso de ódio, é um ambiente corroído e posto em perigo. Esse aspecto já foi comentado por autores de posições tão diferentes quanto Karl Popper, Hannah Arendt e Umberto Eco, por exemplo. 

Mas, conforme dito acima, enquanto há humanidade, há discordância. O que teria afetado então, agora, os mecanismos moderadores das mais diversas comunidades virtuais? O que permitiria até mesmo os donos de redes sociais, como Elon Musk, perpetuarem simples enganos?

A resposta é: os algoritmos para engajamento nas redes sociais. Pois eles são feitos com o único objetivo de fazer com que um usuário permaneça conectado numa rede social. 

Uma rede social é um empreendimento privado e serve para que pessoas ali imersas cliquem em produtos anunciados por seus clientes. Nesse sentido, quanto maior a permanência, o engajamento, a qualidade das interações – independente do tema -, maior a probabilidade dos anúncios serem vistos e clicados, ou ainda, maior é a probabilidade de que outros produtos recebam qualquer tipo de interação (de ver a comprar). Isso é, claramente, uma questão de criar uma plataforma que faça com que o maior número de pessoas simplesmente utilizem redes sociais pelo maior tempo possível. Afinal, uma interação apenas pode ocorrer sob a condição prévia de que ela exista. Ou, como dizem os behavioristas, no âmago da coisa está a criação de técnicas eficientes de controle de estímulos.

É nesse ponto que entra a redução da distância entre conteúdos relevantes e conteúdos de ódio, pois os dois podem coincidir, tornar-se a mesma coisa. Aqui entram os algoritmos, pois eles não distinguem entre um e outro. Pessoas mobilizadas por uma rede social para depor um governo podem consumir anúncios tanto quanto alguém interessado em acompanhar notícias da família. O resultado não é novidade: algoritmos são impessoais e, caso direcionados assim, farão o que é possível para engajar presenças na rede. 

Esse engajamento, como se vê, pode ser da pior qualidade ética. Mas ao mesmo tempo, o engajamento é o que segura os usuários numa rede, para serem objeto das estratégias de marketing dos clientes dessas redes, que são os anunciantes e não os usuários.

Em suma: uma estratégia eficiente de marketing pode envolver valores éticos, mas não significa que ambos sejam irmãos siameses. Não à toa, é aí que entra inclusive a mentira e a propagação das famosas Fake News. Desmentir uma Fake News é algo enfadonho e trabalhoso; propagá-la é rápido e eficiente como um pavio de pólvora.

E assim a ultradireita se torna possível, fortalecendo desde políticos pífios do baixo clero brasileiro, até gurus de pensamento fracassado ou discursos como os de Viktor Orban, que supunha serem possíveis “democracias iliberais”. 



Citar este post
Marcio L. M. (2022, 11 Dezembro). Das listas de discussão e dos chats ao algoritmo e à ultradireita. áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1m8

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search