Jaspers e a introdução à vida filosófica

A Vozes/Vida Integral acaba de publicar Caminhos para a Sabedoria – uma introdução à vida filosófica, de Karl Jaspers1. Trata-se de uma coletânea intitulada Einfuhrung in die Philosophie, aparentemente compilada de uma transmissão radiofônica realizada em 1949 e publicada em 1950 (inclusive presente no youtube ou no Archive.org). As transmissões compilam diversos dos temas principais da obra de Jaspers. Quanto à tradução brasileira, é mais um empreendimento muito bem-vindo para tornar Jaspers mais conhecido por aqui.

Uma observação aparentemente importante é em relação à tradução. Temos em português traduções problemáticas em torno dos pensadores ligados aos movimentos ditos “fenomenológico-existenciais”. Com o título em apelo popular, Caminhos para a Sabedoria parece dar especial atenção para que os termos em alemão tenham fluidez semelhante à da língua original e permitam ao leitor “não-iniciado” um trato com o texto sem maiores dificuldades (afinal, tratava-se originalmente de uma transmissão radiofônica). Onde as passagens são mais difíceis, o tradutor escolhe manter diversos termos também no original entre colchetes, o que deixa o leitor muito bem esclarecido diante das escolhas e configura, diante de outras traduções dos alemães, um ótimo exemplo.

Mas convém fazer uma observação, a respeito do desafio da tradução. Certos termos em alemão, se contém fluidez no original, abrem diferentes significações que não são imediatamente abertas em português. Disso, todo tradutor tem o desafio de resolver ou contornar essa tensão, ou ao menos apresentá-la ao leitor. Quanto à escolha por manter os termos do original entre colchetes, ela é muito boa, mas caso empregada, é preciso ser consequente para com ela, tendo em vista que os termos problemáticos não são poucos nesses autores que tratam de neologismos e termos compostos. Seria muito bom para o leitor se as edições brasileiras valorizassem ainda mais o critério de manter os termos originais entre colchetes.

No caso da presente tradução, ser mais consequente para com essa mesma regra evitaria outras dificuldades. Mais ainda, se essas elucidações textuais forem acompanhadas de um texto elucidativo. Um bom exemplo é o da distinção entre Gegenstand e Objekt. O tradutor comenta:

A palavra Gegenstand automaticamente seria traduzida como “objeto”. Ocorre que o autor usa o latinismo Objekt diferenciado de Gegenstand. Há, então, a necessidade de produzir essa diferença com outro termo para Gegenstand em português. Optamos por matéria (o que não é o ideal, pois leva a outras conceituações) – por sua vez, o autor usa o derivado Gegenständlichkeit para definir a qualidade do que é material – “materialidade” (p. 7)

A presença da nota explicativa logo no início do texto é ótima, mas o leitor – especialmente o não-especializado – não entende o que significaria, ao menos em geral, Objekt e Gegenstand, e menos ainda em autores como Jaspers. A coisa se complica ainda mais porque, se a tradução escolhe “matéria” para Gegenstand porque Gegenständlichkeit é “materialidade”, ela não deixa de notar num de seus colchetes (p. 50) que um “saber representacional” é um saber “gegenständlich“: como fica a palavra Gegenstand entre as escolhas por “matéria” e por “representação”? O leitor entende que ambos os termos provêm da dita “cisão sujeito-objeto” (criticada por Jaspers), mas o modo como explicam Gegenstand e diferenciam de Objekt permanece sem esclarecimento, mesmo que os termos sejam constantes. A palavra “matéria”, inclusive, também traduz Stoff (p. 90). Quais as relações entre Objekt, Gegenständ e Stoff, em geral e segundo Jaspers?

Ocorre o mesmo para Verstand, traduzido ora como “juízo” (p. 48), ora como “razão” (p. 48 e 51), às vezes simultaneamente como juízo e razão (p. 108). Verstand é traduzido em português com certa frequência como “entendimento”, mas também como “intelecto”; razão é tratada muitas vezes como Vernunft, e em Jaspers aparentemente Verstand e Vernunft se opõem como o entendimento divisor à razão em sentido mais amplo, como pensamento vinculado à existência (ex.: mesmo com “todo o endeusamento da Natureza”, “não se perdeu o mistério profundo no suporte da razão [Vernunft]”, p. 64). Na p. 57, “entendimento” é atribuído a Erkennen, palavra que em português é ligada com frequência ao termo “conhecimento” ou “cognição” (como Erkenntnis). A p. 85 atribui “entendimento” a Einsicht, mas a p. 102 traduz Einsicht como “discernimento”. Como encaixar as peças então para dizer que Verstandeinsicht é “entendimento da razão”, aquele que quer apenas “saber” e não “crer” (p. 104)? E se a tradução usa “juízo” para Verstand, também o usa para Urteil na p. 84 (o termo é frequentemente traduzido em português como “juízo”).

Outra questão interessante se faz na distinção entre Realität e Wirklichkeit, ambas traduzidas na p. 62-63 como “realidade”. Quando se atém à expressão “Deus é”, há uma “efetividade” (Wirklichkeit) existencial para a qual a frase aponta e que ultrapassa a simples “realidade” (Realität) no sentido de objeto determinado e apreendido pelo “entendimento” (Verstand) e pela “experiência sensorial” (sinnliche Erfahrung). A “realidade” de Deus, a “realidade de fato” ou por excelência – a transcendência -, que ultrapassa as simples determinações do entendimento, o é no sentido de efetividade (Wirklichkeit) oposta à realidade no sentido tradicional (Realität). Há um jogo no qual o sentido da vida, a certeza da realidade de fato, a transcendência e Deus estão contrapostos à simples determinação dos objetos, da realidade representada e em sentido de simples coisa, entrevistos na cisão sujeito-objeto. Para o primeiro desses leques Jaspers usa o termo Wirklichkeit e para o segundo Realität.

Outro exemplo é o da palavra Ursprung, frequentemente encontrada em português como “origem”. Jaspers a utiliza quando quer mostrar os pontos nos quais o homem se conecta com a transcendência. Assim, “não conseguimos esgotar o que é o ser-humano pelo ser-sabido dele, mas apenas podemos vivenciá-lo na origem [ursprung] de nosso pensar e agir” (p. 80). A mesma palavra, entretanto, é traduzida no livro como “genuíno”. Assim, por exemplo, as crianças filosofam de forma ursprünglich quando perguntam (p. 27), e os loucos também contém um filosofar ursprünglich [Ursprüngliches Philosophieren] (p. 29): qual é a diferença entre genuíno e originário? Manter o tom em “originário” parece reforçar as contraposições de Jaspers entre o que é da ordem do saber e o que é da origem (mais “genuína”). Além disso, apresentar a distinção também previne o leitor de confundir “genuíno” com “autêntico” ou “próprio” [Eigentlich], outro conceito importante para os existencialistas.

Ou ainda, vale comparar a tradução com outras, por exemplo no seguinte, alternando a tradução brasileira com a francesa de Jeanne Hersch:

Só existindo totalmente neste tempo da nossa historicidade é que experimentamos um pouco do eterno presente.
Só como pessoas determinadas nesta figura é que nos asseguramos do ser-humano como tal.
Só quando experimentamos a própria época como nossa realidade englobante é que podemos perceber essa época no Uno da história, e nesta, a eternidade. (p. 143)

Em francês,

Ce n’est qu’en existant entièrement dans le moment concret où nous situe notre condition d’êtres historiquement conditionnés que nous percevons quelque chose d’une présence éternelle.
Ce n’est qu’en tant qu’homme particulier, ayant telle physionomie particulière, que nous approfondissons la condition humaine en général.
C’est seulement si nous vivons notre époque particulière comme étant la réalité qui nous englobe qu’il nous devient possible de comprendre le sens de cette époque dans l’unité de l’histoire et de trouver en celle-ci l’éternité.

Uma introdução mais detalhada e explicativa acompanharia muito bem as escolhas (que poderiam ser mais ampliadas) pelos originais entre colchetes (e quem sabe, notas de rodapé), maximizando ainda mais o alcance da tradução.

Mas, conforme realçado, a tradução sobre Jaspers aplica algo desse leque de iniciativas – e elas poderiam ser seguidas por tantas outras, sem o que o leitor especializado continuará recorrendo ao original ou a outras traduções (especialmente estrangeiras), e o leitor não-especializado continuará sem entender muita coisa. Mais delicada ainda é a situação do leitor que segue alguma “linha” psicoterápica bebendo na fonte de Jaspers: a decisão sobre as palavras também decide sobre práticas nas quais está em jogo mudar vidas.



Citar este post
Marcio L. M. (2022, 11 Setembro). Jaspers e a introdução à vida filosófica. áskēsis. Recuperado em 17 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1m3

  1. JASPERS, Karl. Caminhos para a Sabedoria – Uma introdução à vida filosófica. Petropolis: Vozes, 2022. []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search