Jean Wahl: Karl Jaspers, filósofo da existência e da transcendência (1963)

[p. 1]

É partindo do pensamento de Kierkegaard que se pode compreender melhor o de Jaspers. Isso não significa que negaríamos ao pensamento de Jaspers uma reflexão original sobre Kierkegaard. E o que ele encontrou refletindo sobre Kierkegaard? Ele viu que a estreiteza de uma visão de mundo está ligada à sua profundidade e inversamente, de modo que não se trata de aderir a uma filosofia extremamente geral e profunda como a de Hegel, mas, para o filósofo, está em jogo encarnar-se numa visão precisa, concreta e forte. Essa visão do universo é, contrariamente àquela de Hegel, uma visão parcial. Ela apenas pode ser parcial. E não se poderá unir numa unidade completa todas as visões do mundo, cada uma encerrando-se em sua estreiteza e cada uma devendo então respeitar as outras, pois para Jaspers, cada visão do mundo é uma espécie de raio que parte da transcendência, a qual – como dizia Platão – só conhecemos com dificuldade. 

As ciências não podem nos satisfazer completamente, pois cada uma das ciências tem postulados, hipóteses, noções particulares; cada uma delimita um domínio do real e é preciso ir mais alto do que a ciência que repousa sobre a razão objetiva, sobre o que Jaspers chama de “a consciência em geral”. Ora, o homem é consciência em geral, mas isso não é suficiente para defini-lo. Ele é também o que Jaspers chama de existência concreta do Dasein, e ele é também existência profunda. Quanto à existência concreta, ele a definiu de um modo quase biológico. Quanto à existência profunda, digamos que nós apenas podemos ter sua intuição, sua experiência, em momentos privilegiados. 

Lembremos que Jaspers escreveu uma série de livros sobre os grandes filósofos, nos quais para cada um ele se encarregou de remontar à intuição original desse filósofo, e eis que estamos novamente diante dessa relação existência-transcendência. Quanto à transcendência, não podemos fazer dela uma idéia conceitual e menos ainda uma idéia científica. Podemos apenas ter seus perfis sob espécies de clarões que nos desvelam toda a paisagem cósmica e psíquica que está diante de nós e em nós. Digo “diante de nós e em nós” porque, para Jaspers, somos feitos de camadas superpostas, desde o nosso ser biológico até a consciência em geral, até a razão e enfim até a existência. E é preciso acrescentar o que há fora de nós, caso eu possa falar assim; pois há o mundo e há Deus. 

Portanto, em todas as visões sobre o universo, encontramos esses seres que estão em nós e, por outra parte, esses dois seres – caso se possa chamá-los de seres – que estão fora de nós, o mundo e Deus. E, em cada sistema, pode-se encontrar afirmações sobre cada um desses grandes domínios. O ponto difícil é, evidentemente, a maneira de atingir a transcendência. É aqui que se desvela o que Jaspers chama de “teoria das cifras [chiffres]”. Todo o universo é significativo, é um símbolo, como alguns românticos o haviam visto antes de Jaspers; qualquer coisa no universo pode ser feita de símbolo caso pensemos nela com [p. 2] certa intensidade e profundeza. 

Vê-se o grande interesse da filosofia de Jaspers – espero -, mas vê-se também seu perigo, o de que todas as visões do mundo devem tomar lugar, cada uma, nessa filosofia. Não é como em Hegel, onde a sucessão dos momentos do mundo é que nos revelará o Absoluto. É a simultaneidade das visões do mundo o que nos colocará no limiar de alguma coisa a qual nos ultrapassa infinitamente.

Jaspers não evoca apenas um mundo, mas mundos de pensamentos. É assim que ele é fonte de inspiração. Ele pretende, seguindo uma palavra que Heidegger também emprega, seguir em direção à origem, mas para ele a origem não são apenas os filósofos anti-socráticos. Em todo filósofo reside uma fonte profunda. É assim que por detrás das fórmulas de Descartes e de Nietzsche ele tentou apreender o pensamento em ato de Descartes e de Nietzsche. Ele mostrou como Nietzsche se encontra diante de um duplo obstáculo, de um lado uma objetividade absoluta do respeito à ciência e, de outro, o obstáculo da subjetividade absoluta. E o que todo leitor de Jaspers admira nele é o modo pelo qual ele escapa ativamente desses dois obstáculos por uma meditação ao mesmo tempo concentrada sobre si própria e aberta ao sopro das inspirações. 

Porque falamos da abertura de espírito de Jaspers, lembremos também que ele partiu da psicopatologia, escrevendo um grande tratado de psicopatologia que foi sua primeira obra. Em seguida ele estudou Van Gogh, Strindberg e dedicou-se a encontrar neles o que os fazia doentes. Eles de algum modo transcenderam suas doenças e revelaram aos nossos olhos suas próprias visões do mundo.

Assim se poderia aproximá-lo de William James, que foi um psicólogo antes de ser um filósofo e que ao menos em um livro, As variedades da Experiência Religiosa, estudou as visões do mundo. Tendo partido da psicopatologia, Jaspers percebeu que ela se abria sobre um mundo e sobre a própria interrogação metafísica, e em suas teorias das visões de mundo ele alargou tais considerações. Ele mostrou como cada visão do mundo é ela mesma um mundo. Cada visão de mundo é um mundo, e o mundo de Jaspers é um mundo aberto aos outros. Eis aí seu grande caráter e o que lhe rende admiração. 

Traduzido de:
WAHL, J. Karl Jaspers, philosophe de l’Existence et de la Transcendance. Canadian Psychiatric Association Journal, Vol. 8, n. 1, 1963, p. 1-2.



Citar este post
Marcio L. M. (2022, 6 Setembro). Jean Wahl: Karl Jaspers, filósofo da existência e da transcendência (1963). áskēsis. Recuperado em 17 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1m2

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search