John Watson e o pensamento (1926)

O excerto abaixo traduz uma pequena passagem de How we think: A behaviorist’s view, texto de John Watson publicado em 1926 na Harper’s, e no qual está presente a famosa comparação entre “pensar” e “jogar tênis”, ou ainda uma das definições do pensamento como “comportamento implícito”1. A tradução pertence ao lançamento recente de O behaviorismo clássico, reunindo traduções de Watson para o português2.

[p. 97] (…)

O pensamento, então, é uma forma de atividade corporal geral tão simples (ou tão complexa) quanto jogar tênis. A única diferença é que usamos os músculos da garganta, da laringe e do peito, em vez dos músculos dos braços, das pernas e do tronco. Se pudéssemos ver realmente a atuação dos músculos do tórax, da garganta e da laringe quando pensamos, nenhum mistério jamais teria surgido. Não há mistério em jogar tênis. Vemos os movimentos acontecendo; podemos até fotografá-los com uma videocâmera. Se os fotografamos em frente de uma série de linhas com dimensões conhecidas e mostramos um dispositivo de medição de tempo no filme, podemos medir a extensão de cada movimento e registrar sua duração. Se pudéssemos medir de maneira semelhante a musculatura da garganta e do tórax, ver o resultado final – a palavra – aparecer de alguma forma, do modo como vemos a bola de tênis batendo de um lado para o outro, perceberíamos que o pensamento é tão corriqueiro quanto qualquer outra atividade motora. 

Usamos apenas músculos do peito, da laringe e da garganta Quando pensamos? Jogamos tênis apenas com o braço direito? [p. 98]

Certamente não, fazemos tudo com todo o nosso corpo. Mas se, de repente, eu cortar um músculo em seu antebraço direito, então, infelizmente o jogo de tênis será prejudicado. O antebraço direito do corpo é o dominante ou regulador no jogo de tênis. Da mesma forma, os músculos da laringe, da garganta e do peito são dominantes no pensamento. Qualquer interferência aí – até mesmo uma inflamação grave na garganta – torna mais lento o processo de raciocínio. Pensamos com todo o nosso corpo, o encolher de ombros, a captação da respiração – até mesmo a náusea (condicionada) em nosso estômago, que ocorre quando estamos com pessoas que nos perturbam, faz parte do comportamento organizado executado com os músculos internos. Um aceno de cabeça para “sim”, uma sacudida para a direita e para a esquerda para “não”, uma elevação das sobrancelhas, da cabeça e dos ombros para “duvido” também são parte integrante do complexo processo de pensar. Talvez seja melhor abandonar o termo pensamento e usar a expressão comportamento implícito em seu lugar. Queremos dizer com isso todo o comportamento organizado (mas ainda objetivo) que ocorre nos músculos e nas glândulas dentro de nós. Considerando, porém, que o ser humano resolve a maioria de seus problemas com palavras – então a maior parte do nosso comportamento implícito é verbal. 

Se nossa principal argumentação for razoável, objetiva e logicamente firme, quão tolos são os comentários triviais sobre o pensamento. “Cultive o processo de pensamento.” “Aprenda a se concentrar”. “A faculdade é um lugar onde os homens aprendem a pensar.” A verdade é que aprendemos a pensar aprendendo a fazer. Não podemos pensar de maneira mais direta, melhor, ou mais ampla do que o mundo no qual vivemos. Aprendemos a pensar melhor à medida que aprendemos a fazer melhor – ao nos depararmos com novos objetos, novas situações, novas pessoas -, entrando em dificuldades e saindo delas. Conforme nos tornamos cada vez mais hábeis com o martelo, a serra e o cinzel, tornamo-nos melhores pensadores como carpinteiros, [p. 99] se verbalizamos cada passo à medida que aprendemos. É claro que o camponês não é tão ensinado em sua infância a verbalizar seus atos. Ele continua sendo um trabalhador braçal – um rachador de lenha e carregador de água. À medida que nos tornamos mais hábeis no combate a incêndios, tornamo-nos melhores pensadores na prevenção de incêndios. Aqueles de nós que vivem entre pessoas cultas precisam aprender a verbalizar tudo o que fazem com as mãos. Na barra da saia de nossas mães, aprendemos a falar sobre o que fizemos durante o dia. Esse apoio mútuo constante entre verbalização e fazer explica por que nada jamais vem da filosofia – porque ela se perdeu em palavras que não estão correlacionadas com ações manifestas e não podem substituí-las. As coisas novas no universo vêm dos fazedores – o químico, o físico, o engenheiro, o biólogo e o homem de negócios. Com eles, o fazer leva ao pensar, e o pensar, por sua vez, leva ao fazer. Com o poeta, o filósofo e o sonhador, o pensamento não leva ao fazer, mas apenas a outras palavras faladas ou pensadas; a cadeia infinita de palavras nunca é quebrada.



Citar este post
Marcio L. M. (2022, 29 Junho). John Watson e o pensamento (1926). áskēsis. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1lx

  1. Watson, J. B. How we think: A behaviorist’s view. Harper’s Monthly Magazine, 153, junho de 1926, p. 40–45 []
  2. WATSON, John. Como pensamos: a visão do behaviorista (1926). InO behaviorismo clássico (Trad. Bruno Strapasson e Saulo Freitas Araujo). São Paulo: Hogrefe, 2021. []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search