Michel Foucault, “La question anthropologique. cours, 1954-1955”

Início do curso sobre antropologia sob a letra de Jacques Lagrange

Clare O’Farrell acabou de publicar um informe sobre uma bibliografia de Foucault “atualizada” para 2022, sob a organização de Mathiel Karskens no foucault.info. Na bibliografia de Karskens, consta o título pelo qual o curso de Foucault sobre antropologia será publicado em junho de 2022: “La question anthropologique. Cours, 1954-1955″.

Como se sabe, desde 2013 diversas notas de Foucault foram transportadas à BNF, de onde se realiza até hoje o trabalho de transcrição.

Quanto ao texto sobre antropologia, o título é esse provavelmente devido ao caráter controverso do curso, talvez mais controverso do que os inéditos já publicados (Binwanger et l’Analyse Existentielle e Phénoménologie et Psychologie). No caso do curso sobre antropologia, ele em parte se confunde com o que biografias como a de Eribon situavam como sendo um texto ainda do início dos anos 1950, intitulado “O problema das ciências humanas nos pós-cartesianos”, escrito por volta de 1952 e fruto das lições na Universidade de Lille e na École Normale Supérieure. Foucault reaproveitou o curso em outras oportunidades (por isso a data de 1954-55, provavelmente de um curso na ENS), o que faz com que esse escrito tenha mais do que uma camada, tornando mais difícil situá-lo junto à economia dos outros textos. A julgar o título escolhido, o texto publicado conservará a forma final, coincidente em parte com anotações de alunos feitas na época, tais como as de Jacques Lagrange e de Gérard Simon.

O tom do curso difere bastante dos outros arquivos da mesma época já publicados (por Foucault ou não). Ali Foucault não está interessado em fundamentar uma perspectiva antropológica (da qual Lagrange faz ver a visitação a figuras como Bernard Groetuysen), mas sim em realizar uma espécie de “contra-antropologia filosófica”. Não se trata propriamente de delinear a questão do homem na história, mas sim de mostrar como o “homem” jamais foi formulado como questão por excelência, exceto depois de Kant e seguindo por figuras como Hegel, Feuerbach e Dilthey, até chegar nas ciências humanas. Desde as perguntas enunciadas por Kant na Lógica, culminadas na questão sobre “o que é o Homem?”, armou-se todo o legado e o primado de um pensamento antropológico. Diante dele, Nietzsche (e Darwin e Freud – e Nietzsche via Jaspers e Heidegger) configuraria ruptura.

Junto com La Recherche Scientifique et la Psychologie, o curso sobre antropologia mostra diversas rupturas frente aos projetos de uma antropologia existencial (como a da Introdução a Binswanger) ou concreta (como em Maladie Mentale et Personnalité), trabalhando questões cujos desenvolvimentos culminarão nas teses de Foucault (a tese principal sobre história da loucura e a complementar sobre a antropologia de Kant).


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search