“Eu me cuido, mas se pegar…”

A variante Omicron se alastra como pólvora acesa e, com ela, também as narrativas negacionistas. Nisso, janeiro de 2022 brinda o brasileiro com certos deslocamentos de narrativa dignos de estudo, quase como se estivéssemos lendo livros como A Linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer.

Nesse livro, Klemperer, um judeu que foi professor de linguística e filologia, mostra como as palavras e seus significados foram gradativamente corroídos e alterados enquanto avançava o nazismo. Os modos de se falar e os termos falados, mostrava Klemperer, atestam quem as pessoas, e toda uma sociedade, são, incluindo aí seus gestos divisórios e a tolerância à violência e à morte. Não haveria nazismo e extermínio sem uma gradativa mudança social e dos modos pelos quais as pessoas se posicionavam e se comunicavam. Em descrições de tirar o fôlego, Klemperer mostrava como pessoas queridas e amigos de convívio próximo passavam a se transformar, a conta-gotas, em seres distantes. Notava Klemperer que a mudança de simples expressões cedia lugar a mudanças de atitude, então ao distanciamento, ao confinamento moral dos judeus e, finalmente, à sua exclusão concreta e extermínio. Tudo praticado e chancelado por “pessoas de bem”.

Voltando ao Brasil de 2022, não parece à toa que, depois de tantas mudanças de nuance, a postura de negação da pandemia transformou-se praticamente numa espécie de conformismo. A negação inicial à vacina, as ironizações e desqualificações contra ela e a pandemia (“vachina”, “vírus chinês”), foram cedendo lugar a uma adesão calada (pois já era impossível não ver gente morrendo) e, depois, à gradativa retomada à vida “normal”.

E com o avanço da variante Omicron, é como se as pessoas ignorassem tudo o que se passou. Não se fala mais em isolamento social, a favor ou contra. O tema dominante agora é o da expressão coloquial “eu me cuido, mas se pegar”…

O “eu me cuido” resume-se em geral à constatação do uso necessário de máscara (muitas vezes com o nariz de fora) e álcool-gel (quando se usa). Quanto ao “mas se pegar“, consiste numa mistura ingênua entre 1) a crença de que numa contaminação coletiva os vacinados não terão casos graves, sequelas ou complicações e 2) uma espécie de auto-abandono, quase a ilusão de que uma pandemia se define por sorte, e não por taxas de transmissão.

A expressão é falada e ouvida com a naturalidade com que se comenta sobre o tempo ou o futebol. Vê-se a eventualidade de pegar COVID como inevitável, inevitabilidade que é fragilmente escondida pelo condicional do “se pegar”. As pessoas simplesmente desistiram, como se dois anos com tantas mortes e isolamento não merecessem mais alguns cuidados. O sentimento individual é o de um “Deus-dará”, enquanto na prática concreta o auto-abandono do “mas se pegar…” significa a purgação da população de um país inteiro (definível em todas as letras como genocídio).

É como se, dois anos depois, retornassem com nova roupagem os velhos temas fascistas do “se isola quem pode” ou “quem quer”, ou ainda, que isolamento é coisa de escolha pessoal e não de saúde coletiva. Retorna o tema da imunidade de rebanho sob a forma mais irracional e criticada pelos epidemiologistas, a que expõe – sem necessidade – uma população inteira à eventualidade de milhares de mortes. Retorna o tema do isolamento vertical, outro pseudoconceito, inventado para fazer com que os idosos ou as pessoas com comorbidades sejam isoladas não da pandemia, mas do convívio com os outros (e que sejam apagadas inclusive da existência, pois o isolamento vertical é completamente ineficaz).

O tema do “eu me cuido, mas se pegar…” é o novo modo de irrealizar uma pandemia que está diante do nariz e exige cuidados maiores do que o nariz para fora da máscara e certa frouxidão das palavras. O “eu me cuido, mas se pegar” funciona praticamente como aquele filme que todos acabaram de assistir: se eu não olhar para cima, pode ser que o meteoro não caia.



Citar este post
Marcio L. M. (2022, 24 Janeiro). “Eu me cuido, mas se pegar…” áskēsis. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1lp

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search