Russell sobre Schelling

Antes de completar 25 anos, publicou a sua Filosofia da Natureza, na qual se dedica a dar uma explicação a priori da natureza. Com isso, Schelling não ignora o estado em que se achava então a ciência empírica. No entanto, pensa que, depois do fato, deve ser possível deduzir essas descobertas de princípios muito gerais e não empíricos. Há nessa tentativa um vestígio do racionalismo de Spinoza, combinado com a noção de atividade de Fichte. Pois o mundo a priori que Schelling tenta deduzir é concebido como um mundo ativo, enquanto o mundo da ciência empírica lhe parecia morto. Mais tarde, esse método foi adotado por Hegel. Para o leitor moderno, especulações tão pouco densas sobre questões científicas são quase incompreensíveis. Nessas discussões há muita verbosidade inútil e muitos pormenores totalmente ridículos. Foi isso, entre outras coisas, que mais tarde ocasionou o descrédito da filosofia idealista.

RUSSELL, Bertrand, História do Pensamento Ocidental, RJ: Nova Fronteira, 2017, p. 319.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search