Dois novos livros sobre Michel Foucault

Nos últimos dias surgiram duas publicações em torno da figura de Foucault: um livro dele e outro sobre ele.

O novo “livro” “de” Foucault intitula-se Binswanger et l’Analyse Existentielle. Ele é, a bem dizer, uma compilação de notas tomadas durante os anos 1950, provavelmente em 1953 e 1954. Essas notas, junto com milhares de outras, permaneceram armazenadas após a morte de Foucault até serem depositadas por Daniel Defert na Biblioteca Nacional da França em 2013. Ao todo, são 117 caixas (fizemos um mapeamento preliminar aqui).

Desde então, alguns empreendimentos tentaram publicizar esses conteúdos. Vale destacar, dentre todos, o projeto Foucault Fiches de Lecture, que escaneou em torno de 25 caixas dentre essas 117 e mantém todos os documentos (são mais de 13 mil) para acesso público e download gratuito.

Quanto ao novo “livro” sobre Binswanger, os documentos originais estão contidos na “caixa 46”. Ali, constam também outros documentos diversos, especialmente alguns cursos de Foucault ministrados na universidade de Lille e na ENS (quando ele ali lecionava entre 1951-1955). Ao contrário dos escaneamentos do projeto FFL, entretanto, a pasta 46 apenas é disponível sob visita no local e autorização. Sob os conteúdos dessa caixa e de outras, a tríade Gallimard/EHESS/Seuil iniciou uma nova série, intitulada Les Cours de Michel Foucault avant le Collège de France.

Binswanger et l’Analyse Existentielle é uma provável tese que Foucault planejava para os anos 1950, e foi escrito junto à Introdução a Sonho e Existência. O escrito não foi acabado e contém diversos trechos riscados, lacunas, trechos ilegíveis e ausência de revisão. É, portanto, um documento de uso privado. O que denota que ele foi planejado para algum uso público são a organização explícita em capítulos e as ligações entre um capítulo e outro, totalizando em torno de 190 páginas manuscritas. Mas há também idéias reiteradas e pequenas contradições internas, mostrando que o texto não foi finalizado.

O texto traz diversas novidades ao leitor. Há proximidade com argumentações já utilizadas nos outros textos dos anos 1950, tais como Maladie Mentale et Personnalité, a Introdução a Sonho e Existência e A Psicologia de 1850 a 1950, mostrando que os escritos dos anos 1950 são mais “próximos” entre si do que se imagina. Constam também considerações sobre Husserl muito mais sofisticadas do que as contidas nos textos já publicados. Outra questão que salta aos olhos é a completa negação das teses empreendidas no texto já publicado sobre Binswanger (!), aspecto que reforça inteiramente certas pesquisas já feitas por aqui.

Reprodução do informe:

En 1954 paraît en traduction française Le Rêve et l’Existence du psychiatre suisse Ludwig Binswanger, accompagné d’une introduction de Michel Foucault. Le philosophe y annonce un « ouvrage ultérieur » qui « s’efforcera de situer l’analyse existentielle dans le développement de la réflexion contemporaine sur l’homme ». Foucault ne publiera jamais ce livre, mais il en a conservé le manuscrit ici présenté. Il y procède à un examen systématique de la « Daseinsanalyse», la compare aux approches de la psychiatrie, de la psychanalyse et de la phénoménologie, et salue son ambition de comprendre la maladie mentale. Cette démarche l’accompagne dans sa quête de « quelque chose de différent des grilles traditionnelles du regard psychiatrique », d’un « contrepoids » ; pourtant il en souligne déjà les ambiguïtés et les faiblesses, en particulier une dérive vers une spéculation métaphysique qui éloigne de l’« homme concret ».
C’est en réalité à une double déprise que nous assistons : d’abord à l’égard de la psychiatrie, puis, à l’égard de l’analyse existentielle elle-même, qui le conduit bientôt à la perspective radicalement nouvelle de l’Histoire de la folie à l’âge classique. La marque de ce travail ne disparaîtra pas pour autant. En 1984, Michel Foucault présente de cette manière son Histoire de la sexualité : « Étudier ainsi, dans leur histoire, des formes d’expérience est un thème qui m’est venu d’un projet plus ancien : celui de faire usage des méthodes de l’analyse existentielle dans le champ de la psychiatrie et dans le domaine de la maladie mentale. »

O livro publicado sobre Foucault é The Early Foucault, de Stuart Elden. O autor acessou os arquivos disponibilizados por Defert na BNF, bem como vários outros.

Reprodução do informe:

It was not until 1961 that Foucault published his first major book,  History of Madness. He had already been working as an academic for a decade, teaching in Lille and Paris, writing, organizing cultural programmes and lecturing in Uppsala, Warsaw and Hamburg. Although he published little in this period, Foucault wrote much more, some of which has been preserved and only recently become available to researchers.
Drawing on archives in France, Germany, Switzerland, Sweden and the USA, this is the most detailed study yet of Foucault’s early career. It recounts his debt to teachers including Louis Althusser, Jean Hyppolite, Maurice Merleau-Ponty and Jean Wahl; his diploma thesis on Hegel; and his early teaching career. It explores his initial encounters with Georges Canguilhem, Jacques Lacan, and Georges Dumézil, and analyses his sustained reading of Friedrich Nietzsche, Edmund Husserl and Martin Heidegger. Also included are detailed discussions of his translations of Ludwig Binswanger, Victor von Weizsäcker, and Immanuel Kant; his clinical work with Georges and Jacqueline Verdeaux; and his cultural work outside of France.
Investigating how Foucault came to write  History of Madness, Stuart Elden shows this great thinker’s deep engagement with phenomenology, anthropology and psychology. An outstanding, meticulous work of intellectual history,  The Early Foucault sheds new light on the formation of a major twentieth-century figure.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search