Buffon: História Natural

A Ed. Unesp acaba de anunciar o lançamento de uma seleção dos 38 volumes da História Natural de Buffon. Trecho do informe:

“Surgida entre 1749 e 1778 em 36 volumes, a História Natural de Buffon rivaliza com a Enciclopédia de Diderot e D’Alembert como publicação mais vultosa do Século das Luzes”, explicam os organizadores. “Trouxe contribuições importantes para o pensamento biológico e teve impacto profundo na filosofia.”

Ao longo de mais de 700 páginas – que ainda inclui, de forma gratuita e on-line, um complemento de mais de cem páginas da obra à guisa de degustação, o esplêndido escrito Das épocas da natureza –, o naturalista trafega pela história dos animais à história natural do homem, detém-se sobre os quadrúpedes e sobre uma história e teoria da Terra. “Embora fosse um bom conhecedor da botânica, principalmente dos sistemas de botânicas, Buffon não dedicou nenhum volume a ela no plano da História Natural, ou ao menos ela não consta dos volumes publicados. Outra ausência são os insetos, que ele julga indignos de atenção”, pontuam. Apesar disso, as lacunas temáticas da obra são compensadas pelo que o livro tem de melhor: o apreço pelos mamíferos, ou, mais precisamente, pelos “animais quadrúpedes” em geral.

Cabe falar em atualidade de Buffon? Sem dúvida. “A História Natural se tornou um clássico para aliem da inatualidade da ciência que ela contém. É um livro ímpar, redigido em prosa clássica que envereda pelo sublime, mas, sempre que necessário, detém-se no trivial, e encontra em coisas banais – operações fisiológicas, detalhes de anatomia etc. – a confirmação de que tudo é ordem, tudo é signo, de que cada parte reenvia à outra, revelando um conjunto que se abre para a expansão, sempre parcial e instigante, do inesperado, do maravilhoso”, explicam os organizadores. Neste turbulento período pelo qual passamos, a obra de Buffon é um convite para olharmos para a natureza, “essa sólida construção erigida por nossa imaginação, de maneira a reconsiderar o lugar do humano numa experiência que nos perpassa e nos suplanta, e a redefinir o sentido de um mundo natural que, embora seja marcado pela intervenção de nossa espécie, permanece opaco para nós. Haveria melhor testemunho da atualidade do espírito das Luzes?”


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search