Aldini: Ensaio teórico e experimental sobre o Galvanismo (1804 – Introdução)

Segue abaixo a tradução da Introdução de Jean [Giovanni] Aldini ao Essai Théorique et Expérimental sur le Galvanisme, publicado em 1804 na França.

O texto se presta a inúmeros desdobramentos. Constam ali as relações entre galvanismo e eletricidade, que serão trabalhadas no livro. Há sugestões sobre as intenções de Aldini, que vão desde não satisfazer apenas o “espírito de sistema”, até realizar intenções “filantrópicas” e ligadas ao uso de “supliciados” em experimentos. Passa pelas sugestões de experimentos não apenas com cadáveres, mas também com animais e para desenvolver o galvanismo em medicina (incluso na “alienação mental”). Chega em sugestões que pareceram úteis até para inspirações literárias (como a de que o galvanismo, sendo eficiente em corpos mortos, deve então ligar-se a princípios vitais e à recuperação da saúde). Tem-se, em suma, em torno do que constitui a “querela das cabeças decepadas“, um emaranhado de questões entrelaçadas em história da ciência que não tardará a ser desfeito, com cada questão (eletricidade e galvanismo, medicina, biologia, fisiologia, terapêuticas diversas, incluso mentais) seguindo cursos específicos.

Introdução

[p. I] O modo como as descobertas nascem e se propagam no vasto campo das ciências e das artes fornece a melhor idéia sobre a grandeza do espírito humano. O gérmen não percebido de uma planta útil muitas vezes permanece desconhecido durante séculos, até que passe pelas mãos hábeis de um homem que o cultive convenientemente para seu desenvolvimento e reprodução. Assim as idéias mais simples são, para o homem de gênio, o gérmen despercebido das mais belas produções intelectuais. A própria física moderna vem de apoio a essa verdade. 

[p. II] O célebre professor Galvani, depois de observações bastante simples e ajudado por seus talentos e engenhosidade, fixou por sua brilhante descoberta uma época memorável na ciência. Guiado pela nobre ambição de fazer recuar os limites dos conhecimentos humanos, ele se entregou a um grande trabalho, diante do qual os limites ordinários da vida não lhe deram a esperança de completar.

Penetrado de um vivo desejo de ser útil, ele sonhava apenas em fornecer as primeiras noções de um novo sistema de fisiologia, que poderão servir de tocha para dirigir os cientistas rumo às maiores descobertas. Ele fazia lembrar que as suspeitas do desafortunado Galileu [p. III] traçaram o caminho para Torricelli, cujos trabalhos foram sucedidos pelos de Pascal, Boyle e de Otto-Guerick, cientistas por sua vez seguidos pelas mais recentes obras de Prietsley, de Cavallo e de Lavoisier, que lançaram a mais grande luz sobre a teoria dos fluidos aeriformes.

Cada parte da ciência, e principalmente a teoria da eletricidade animal, oferece-nos o mesmo quadro. Pois o que era a eletricidade quando Tales de Mileto a descobriu? E o que foi dela durante longos séculos, entre as mãos de Plínio, Estrabon, Dioscórides e Plutarco? Durante esse longo intervalo, ela não passou [p. IV] de um gérmen afundado na terra, aguardando mãos mais felizes para realçá-lo; e os homens célebres que o fizeram crescer e se elevar, tais como os Gilbert, os Muschenbroëck, os Nollet, não tinham idéia da quantidade de frutos que deviam tirar Delibard, Franklin e Volta, cujos numerosos trabalhos apreendem os principais fenômenos da natureza. 

Galvani faz sair desse vasto tronco um novo ramo: ele o cultivou com todo o zelo do homem industrioso que trabalha com seus próprios fundos, com toda a inteligência de um gênio observador que acredita ter apreendido um dos fios que podem conduzir aos [p. V] maiores segredos da organização animal e da vida.

Sua esperança mais cara era a de dirigir sua descoberta em proveito da espécie humana, e de encontrar na própria economia animal os meios de corrigir a maior parte das desordens às quais ela está sujeita.

A morte ciumenta surpreendeu esse filósofo quase no começo de seus trabalhos, mas já era tarde demais para inutilizar sua descoberta: hoje ela está nas mãos de todos os cientistas da Europa, um instrumento que não pode mais se perder e, melhor conhecido a cada dia, será enfim devidamente posto em valor.

[p. VI] Sendo testemunha e cooperador dos trabalhos de meu parente ilustre, não pude permanecer alheio aos progressos feitos por ele à ciência. Desenvolvi então algumas experiências para conduzi-la ao fim que ele se propunha. Tais são os fatos que forneço, sem reserva, aos cientistas que poderão apreciá-los. Que eu possa não ficar em dívida para com eles pelas pesquisas que eu fiz e pelas que ainda projeto, e trazer à massa comum um tributo que não tenha desonrado o filósofo cuja perda, que me trouxe as maiores tristezas, deixou-me uma grande tarefa a cumprir: a de defender sua glória e utilizar suas descobertas!

[p. VII] Agora, para dar uma idéia precisa de minha obra e colocar o melhor possível de ordem e clareza, eu a divido em três partes. A primeira [parte] mostra a ação do galvanismo independentemente dos metais e algumas de suas propriedades gerais. Na segunda [parte], emprego o poder do galvanismo para excitar as forças vitais. Na terceira [parte], proponho aplicações úteis desse agente em medicina, e desenvolvo os princípios que servem de apoio a uma nova utilização do galvanismo médico.

Muitos resultados que não puderam ser convenientemente colocados nessas três partes serão [p. VIII] assunto de um apêndice, no qual descreverei também alguns aparelhos novos, físicos ou químicos, muito apropriados para desenvolver a teoria do galvanismo. 

Julguei que seria oportuno dividir na primeira parte desse Ensaio minhas experiências de modo que elas servissem para estabelecer uma série de proposições, as quais cada uma tende a demonstrar as diferentes propriedades do galvanismo. Meus esforços se limitaram a isso, não achando ser possível – no estado atual da ciência – oferecer uma teoria completa e rigorosa. Entretanto, por vezes fui obrigado a me deixar fazer conjecturas as quais me pareceram [p. IX] consequencias necessárias dos fatos previamente observados. 

A segunda parte compreende uma longa sequência de experiências feitas com o homem e os animais após a morte, para comparar os efeitos do galvanismo e do estímulo admitido por Haller sobre os diferentes sistemas de órgãos; mas dirigi minha atenção principalmente às meninges, ao cérebro e ao coração. Acreditei ser preciso insistir ainda mais sobre esse ponto, tanto quanto ele há muito tempo é objeto de contestação entre os fisiologistas.

A pilha imaginada pelo professor Volta me forneceu a idéia de um meio mais apropriado que os utilizados [p. X] até hoje para estimar a ação das forças vitais. Fiz em cadáveres de supliciados experiências as quais penso que a fisiologia poderá extrair alguma utilidade. A duração da vitalidade, persistindo com mais ou menos permanência nos diferentes órgãos, sua quantidade variável em cada um deles, seu modo natural ou ordinário de ação alterado pelo estado patológico e modificado diferentemente por cada ação mórbida, são vários objetos dignos da atenção total dos que estudam as leis que regem a economia viva. Todos eles oferecem um campo tão vasto às nossas pesquisas que o estado avançado de nossos conhecimentos [p. XI] não tardará a render frutos. Temos hoje um grande número de dados para assegurar que, com prudência e sagacidade, obteremos resultados que nos conduzirão a aplicações úteis.

Gostaria de ter expandido minhas pesquisas mais além do que fiz, tomando como alvo [sujet] de minhas experiências diversas espécies animais dotadas de uma grande energia de contratilidade: assim, a tartaruga marinha [tortue de mer] teria sido a primeira a fixar minha atenção, e nesse tempo motivei físicos ingleses para levarem esse animal a sério e estudá-lo sob as luzes [p. XII] então adquiridas sobre o galvanismo. Além disso, por esse meio não duvido que seja possível, se não chegar a um conhecimento perfeito, ao menos aumentar muito o que sabemos sobre a organização dos insetos e dos moluscos.

Por mais vantajosa que tenha parecido a descoberta do galvanismo, somando ao montante de nossos conhecimentos [também] o desse agente estimulante, eu ficaria pouco satisfeito se não fosse possível também dirigi-la para aliviar o sofrimento da humanidade. Considerando a forma enérgica pela qual ele age sobre os órgãos sem vida, fomos naturalmente conduzidos a conceder-lhe também influência sobre aqueles [órgãos] ainda submetidos [p. XIII] ao império das forças vitais. 

Não seria menos natural estendê-los [os conhecimentos sobre o galvanismo] também às circunstâncias nas quais, pela ação de uma causa qualquer, as funções não se executam mais livremente, ou não se exerçam mais de modo conforme às vias gerais da natureza. Ousei então, como muitos outros, ter esperanças sobre a possibilidade de seu emprego em algumas doenças; eu mesmo fiz diversas tentativas. Eu o administrei [o galvanismo] em algumas afecções de natureza diversa e em alguns casos obtive bons resultados. Sua aplicação ao homem doente será objeto da terceira parte de meu Ensaio.

[p. XIV] Os sucessos do galvanismo entre as mãos dos célebres professores Pfaff, Humboldt, Vassalli, Ritter, Grapenghiesser e vários outros fizeram com que ele fosse visto muito prematuramente como uma aquisição já assegurada pela medicina. Essa decisão precipitada certamente faz mal, apenas conduzindo à desconfiança e desencorajamento. Por pouco que se queira dar atenção, a aplicação do galvanismo ainda está no berço, e durante muito tempo talvez permaneceremos tateando. Eis porque na terceira parte de minha obra ocupo-me muito mais do que resta a fazer do que o que foi feito e dito até o presente. É apenas após [p. XV] reflexões maduras e sábias que se pode permitir agir, embora não podemos culpar tanto aqueles que empregam o galvanismo em todos os casos indistintamente. 

Um exame atento, severo e imparcial dos efeitos da eletricidade ordinária e do galvanismo aplicados à economia animal justificará a preferência que dou a este sobre a eletricidade para o uso médico. Algumas experiências empreendidas para determinar sua ação sobre os fluidos aeriformes, e as quais forneci o esboço no apêndice, talvez um dia servirão para os meus desejos, fazendo conhecer o modo de ação verdadeiro de algumas substâncias medicamentosas [p. XVI] em alguns casos patológicos. Enfim, penso que a influência do galvanismo sobre os sistemas nervoso e muscular é hoje muito bem constatada para ser proposta com alguma confiança na asfixia e na alienação mental por melancolia. 

Tal é, em poucas palavras, a análise do Ensaio que apresento ao público; tal é a exposição de minhas pesquisas e experiências: elas não foram dirigidas nem pelo entusiasmo de uma nova descoberta e nem pelo espírito de sistema, mas por caminhos filantrópicos, pelo desejo de estudar, de conhecer a natureza e pelo amor à verdade. 

Bibliografia:

ALDINI, J. Essai théorique et expérimental sur le galvanisme, avec une série d’expériences faites en présence des commissaires de l’Institut national de France, et en divers amphithéâtres de Londres, par Jean Aldini,… Avec planches. Paris: Fournier Fils, 1804.

Para citar:

ALDINI, Jean. Ensaio teórico e experimental sobre o galvanismo (Introdução) (trad. M. Miotto). Askesis. Handle: 10670/1.x5jzvm


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search