Albrecht von Haller: irritabilidade e sensibilidade (1755)

“Chamo de parte irritável do corpo humano aquela que fica mais curta quando algum corpo estranho a toca com um pouco de força. Mantendo-se o mesmo tato externo, a irritabilidade da fibra é tão maior quanto mais ela se encurta. A [fibra] que se encurta muito por um leve contato é muito irritável; aquela na qual um contato violento produz apenas uma leve mudança é pouco [irritável].

Chamo de fibra sensível no homem aquela que, sendo tocada, transmite à alma a impressão desse contato: nos animais, os quais não temos certeza sobre a alma, chamar-se-á de fibra sensível aquela cuja irritação ocasiona neles signos evidentes de [p. 6] dor e incômodo. Chamo de insensível, ao contrário, aquela [fibra] que sendo queimada, cortada, picada, machucada até a inteira destruição, não ocasiona nenhuma marca de dor, nenhuma convulsão, nenhuma mudança na situação do corpo. Essa definição é bem fundamentada, pois sabemos que um animal que sofre busca retirar a parte lesionada da causa ofensiva; ele retira a perna ferida, chacoalha a pele se é picada e fornece outros sinais que nos provam que ele sofre.

Vê-se que são apenas as experiências que podem nos fornecer definições sobre as partes sensíveis e irritáveis; e que os Fisiologistas e os Médicos se pronunciaram sobre essas qualidades sem ter feito nada, o que tem sido fonte de diversos erros. Essa mesma inexatidão, aplicada a outros objetos, ocorreu em todas as Ciências.”

Bibliografia: Tradução livre de von HALLER, A. Dissertation sur les parties irritables et sensibles des animaux. Tr. du latin par Tissot. Lausanne: M.M. Bosquet, 1755, p. 5-6.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search