Moser: a experiência galvânica

Excerto traduzido de: MOSER, Walter. “Le Galvanisme : Joker Au Carrefour Des Discours Et Des Savoirs Autour De 1800.” L’Ère Électrique – The Electric Age, org. Olivier Asselin et al., University of Ottawa Press, 2011, pp. 61–84. (p. 62)

“Qual é a experiência galvânica? Ela tem uma infinidade de variantes, mas reconduzida a seu esquema de base, comporta os elementos e procedimentos seguintes:

  1. O experimentador precisa de uma perna de rã e de dois metais diferentes (a maior parte do tempo o zinco e o cobre)
  2. Ele conecta os três elementos entre si de modo a criar uma sequência: perna – metal I – Metal II. Chama-se essa sequência de uma corrente [chaîne] galvânica.
  3. Ele põe o último elemento da corrente em contato com o primeiro.
  4. Fechando dessa forma o círculo e o circuito galvânico (composto, portanto, de um arco excitatório metálico e um arco animal), ele observa uma contração no músculo da perna. A rã morta se reanima!

É um experimento bastante simples, mas dotado de um potencial quase ilimitado para suscitar novos experimentos, para alimentar debates científicos e para provocar conflitos, até mesmo polêmicas entre diversas escolas científicas, e finalmente para (re)ativar imaginários profundamente enraizados como a ressurreição dos mortos e até a fabricação de um andróide a partir de restos humanos, conforme feito ficcionalmente, em 1818, por Mary Wollstonecraft Shelley em seu romance Frankenstein or: The Modern Prometeus.”

Sobre a “ressurreição dos mortos”, Moser acrescenta a nota: “Em 1802, Giovanni Aldini, sobrinho de Giovanni Galvani, teria feito em Londres experimentos com cadáveres e cabeças decepadas de criminosos supliciados. Em 1804, ele publica em Paris seu Essai théorique et expérimental sur le galvanisme, avec une série d’expériences en présence des commissaires de l’Institut National de France, et en divers théâtres anatomiques de Londres, Paris, Fournier fils. Assim, Aldini liga o galvanismo à tradição de uma espetacularização do corpo humano nos “teatros anatômicos””


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search