Ritter: “há galvanismo por toda parte”

26. Prova para a absoluta polaridade na natureza. Natureza é ação, e apenas na medida em que é natureza. Ação, entretanto, requer uma variedade/um múltiplo [Mannigfaltiges], pois apenas através dele a ação vem a ser, e com o múltiplo a ação também desaparece. Toda ação, portanto, supõe diferença. Isso, entretanto, é oposição, polaridade. E desde que a natureza está onde a ação está, a polaridade deve então estar em todo lugar. — [p. 132-133]

(…)

337. (1799) Em toda parte onde três indivíduos formam uma figura, cuja influência recíproca não mero grau de uma ordem idêntica, há galvanismo. Também em todos os lugares nos quais diferentes ordens do sistema de gravitação geral se conectam como se fossem várias classes voltaicas, ele [o galvanismo] está presente, e forma algo como a atadura para as fissuras da natureza. Eis um verdadeiro Janus bifrons inversus [Janus de duas faces invertidas]! Os corpos cósmicos se comportam aqui como polos de metal, um sol forma a gota d’água; sistemas estelares e nebulosas são as bolhas de vapor na respiração da natureza, quando ela constrói os ensaios de respiração em larga escala – ela mesma é a corrente. É assim que a natureza estampou a imagem estrelada do próprio galvanismo nos céus. Quantas outras coisas podem ainda cintilar docemente por eternidades, com luz suave e sem ter tocado ainda os mortais! –

338. A faísca galvânica põe fogo em toda natureza, e sua cinza é natureza de novo! –

339. Poderiam talvez os corpos orgânicos, plantas e animais, ser a água galvânica para vários sistemas ao mesmo tempo? Seria a maior organização, — o homem, [a água galvânica] para todos [os sitemas]? –

340. No olho do homem ocorre uma temperatura de luz constante, por que não também no olho da terra? — Assim, a iluminação da terra através do sol seria apenas um aumento dessa temperatura de luz, seu dia, — a noite seria sua diminuição. Toda a luz do sol se assemelharia a um raio galvânico, e a luz, em geral, só chegaria ao universo por meio do galvanismo. – [p. 293-295]

(…)

345. (1802) Os metais são como o subjetivo na corrente galvânica, a água o objetivo. –

346. Se toda oposição dos sentidos não resulta da sensação do ácido e do alcalino, o que produz galvanismo? Na língua, experimenta-se o ácido efetivo, o alcalino efetivo. No olho se vê o ácido e o alcalino. No ouvido escuta-se isso. No pulso, sente-se isso. –

347. O galvanismo dos indivíduos na terra torna-se o galvanismo dos corpos planetários na galáxia e vice-versa. O galvanismo dos indivíduos torna-se galvanismo dos órgãos em menor escala. –

348. Apenas para o orgânico o efeito da corrente galvânica perdura, não para os mortos. –

349. (1803.) No galvanismo a terra passa a refletir sobre si mesma. — [p. 296-297]

(…)

646. Para confirmar a afirmação de que o infinito, ou a natureza como um todo, é saudável apenas na medida em que todas as coisas finitas estão nele doentes, poderia servir, dentre outras coisas, que a própria terra, e todos os planetas, são capturados em constante febre. Verão e inverno são períodos de calor e frio. Muito corretamente, o início do ano ocorre com o resfriamento; também no homem a febre começa com o resfriamento. —

(…)

682. Quando a natureza inorgânica cai em decadência, a vida emerge. O dia da morte da natureza inorgânica é geralmente o aniversário da natureza orgânica, uma transição a outro mundo. E nosso espírito plana sobre ambos os mundos.

683. Um físico que é também um libertino não é um físico de verdade. A natureza ensina todas as virtudes; ela é o verdadeiro Liber de officiis. Fé, amor, esperança. Ela pode providenciá-los todos. Quem quer que a natureza provê é um afortunado.

684. O homem é um prólogo à natureza. O autor deu aí um belo conceito da última; assim, pede ao bom leitor para ler primeiro, pois isso providencia uma pequena explicação1. [p. 465]

(…)

700. Nosso casco terrestre é apenas uma anotação feita pelo criador no texto espiritual. Alguém finalmente o lê, mas talvez também apenas o folheie. [p. 469]

Livre tradução de Ritter, J. W. Key Texts on the Science and Art of Nature. Brill, 2010 (Fragmente aus dem Nachlasse eines jungen physikers)

  1. a ambiguidade de ler o livro, ou ler o “livro da natureza”, é proposital – []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search