A aventura eleitoral no país das máscaras

If the theoretical structure of your discipline
prevents you from recognizing a major issue,
you need to revise that structure.
– Jason Stanley –

Chego à seção eleitoral e logo depois um homem, em torno de 55 anos, põe-se atrás na fila. Ele ostenta aquela cena do nariz por fora da máscara anti-Covid, conseguindo, quando muito, potencializar a eventual absorção do vírus pelo nariz. Ele se aproxima ainda mais. Com um sorriso, falo sobre a importância de cobrir o nariz. Ele responde com ironia:

– É para me proteger, não é?

Respondo sem ironia: Não, é para proteger os outros. Então o valente eleitor dispara: “usar máscara não serve para nada. Os poros da máscara são maiores do que o vírus, ele tem passagem liberada. Então inventaram isso como uma espécie de ilusão geral, inventaram que as pessoas devem usar máscara para se iludirem com segurança ou serem amedrontadas, mas não há serventia real”. Sorrio de novo e dou as costas. Somos mais duas vítimas – eu e ele – de Fake News.

As Fake News tem isso de deixar passar uma mentira sob as aparências de plausibilidade, pois afinal, o vírus não é de fato pequeno? A máscara não serve para que cada um se proteja, ao invés de proteger os outros? Não e não (e não e não)1.

Parece surpreendente ter que retomar as coisas sempre do início, como se as pessoas não tivessem aprendido o que de fato aprenderam na sociedade da informação: 1) máscaras não são absolutamente eficientes, e é por isso que se recomenda o isolamento social; 2) mas máscaras servem sim como tática dentro de uma estratégia global de saúde pública (envolvendo várias outras táticas: testagem, isolamento, criação de leitos…), e não como solução única (tal como se faz no Brasil, transformado num país de usuários de máscaras sob aparência de normalidade); 3) e como tática localizada (não estratégia inteira), máscaras oferecem certa proteção para que eu não me contamine com o outro, mas a idéia maior é que o indivíduo que usa a máscara reduz o risco de contaminação do outro2.

A idéia de que a máscara garante tudo e não é apenas parte de uma estratégia de saúde tomou conta do Brasil, a julgar pelas ruas, o comércio, tudo. A idéia já faz parte do grande sentimento do “novo normal”. Ela permite que o povo se aglomere nos mercados, ônibus e votações. Faz com que a mesma imprensa que recomenda o isolamento social transmita partidas nas quais os jogadores seguem como se tudo seguisse normal. Permite também sustentar a desconfiança contra as escolas (que permaneceram fechadas) e mune as milícias virtuais com acusações de que professores são vagabundos de esquerda (apesar de todos os “fatosdizerem toda hora o contrário3 ).

A idéia da máscara como solução abranda o sentimento de gravidade da pandemia e a percepção da necessidade do isolamento. Ela retira das pessoas o censo de que as coisas estão erradas e dispensa as autoridades (começando pela federal) de se explicarem sobre a inteira ausência de articulação entre os governos e a chocante deficiência na testagem, nas notificações e nos dados de síncrome respiratória aguda (ver, ver, e ver4 ). Resumindo: a idéia da máscara como solução permite dar a aparência de mudança e de que algo está sendo feito quando, no fundo, os efeitos concretos são ineficazes ou contrários.

Que isso seja uma questão de percepção: lembremos – apenas para contar os casos da última semana – das falas públicas de alguns políticos. O presidente do Brasil chegou a dizer5:

Tudo agora é pandemia, tem que acabar com esse negócio. Lamento os mortos, lamento. Todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer. Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas. Olha que prato cheio para imprensa

O presidente declarou isso praticamente no mesmo momento em que seu próprio ministro da saúde disse, após ter sido infectado com Covid-19, que “é difícil voltar ao normal”. Seria inevitável perguntar se, para o presidente, o ministro também se enquadra na categoria de maricas, sabendo também que o próprio presidente reclamava de não poder mais comer seu pastel com cana (eis, novamente, a máscara como mero detalhe suplementar).

Um pouco mais branda, uma senadora da república do Brasil comentou6:

Covid é muito estranha mesmo: Viajei por 5 dias c/ equipe e todos usando máscara e álcool gel. No retorno 2 com Covid. Eu e mais 2 negativos. Todos no mesmo carro. Já fiz dois exames como recomendaram os médicos. Graças a Deus nada.Resultado do exame saiu agora a pouco.

A citação acima é uma aula, pois sintetiza tudo: a vida pode seguir normal bastando, quando muito, optar pelo uso da máscara como espécie de cuidado incômodo embora necessário. Já o vírus, para além da máscara ele teria estranhas artimanhas.

Deveria surpreender como esse senso comum sobre o uso da máscara fala sobre o Brasil de 2020. Esse lugar no qual a máscara não faz parte de uma estratégia global de saúde, mas cai (ou sai) na boca do povo como algo que vai do luxo (des)necessário à decisão incômoda, é um lugar onde o discurso científico não tem mais o valor de outrora. O contexto da máscara médica sem estratégia global de saúde é o mesmo no qual, em 2020, presidentes podem criar7 e trocar8 receitas médicas, enquanto receitas não-médicas podem ser dadas por médicos9. Como encontrar uma chave de leitura para isso? O fenômeno das Fake News10 talvez explique a coisa em parte – e o Brasil é líder mundial no compartilhamento delas -, embora também salta aos olhos como, durante a pandemia, certas ciências são às vezes solicitadas e outras, ignoradas.

Junto ao caso da medicina, um exemplo muito claro sobre o uso e desuso das ciências é o da educação: quando se começou a difundir o tema da “educação emergencial remota”, os últimos a serem ouvidos foram os pedagogos e os setores de educação. Pois, se os setores de educação fossem ouvidos, contestariam11 a falsa simetria entre remoto-presencial e emergencial-normal. Não há sequer simetria pedagógica entre a educação remota e a educação presencial, do mesmo modo como a educação emergencial, utilizada em contextos de carência ou ausência de aparatos governamentais (como o contexto de guerra), não corresponde a um contexto como o da pandemia de 2020, no qual o Estado está presente e pleno de suas capacidades, podendo decidir sobre políticas educacionais e inclusive aquelas que não finjam correspondência entre emergencial e normal. Mas a aparência de universalidade e evidência da “educação emergencial-remota com efeitos normais” conduz a dizer que, para além da desinformação e surdez quanto aos dados científicos, quando é permitido ouvir nem todas as ciências são chamadas a falar.

Voltando à questão da máscara médica, tem-se portanto a curiosa prática dela ser usada (ou ao menos recomendada) por um país inteiro, mas fora de uma estratégia global de saúde. O mesmo país autoriza uma medicina receitada por não-médicos – notavelmente políticos populistas – e uma não-medicina receitada por médicos. Igualmente, tem-se a educação emergencial-remota universalizada, embora não prescrita por educadores. Isso conduz a dizer que, de algum modo, a ciência não é mais solicitada da mesma forma que outrora e o cotidiano parece testemunhar rápidas mudanças nas relações entre ciência e sociedade.

As cenas seguem. Na fila da votação, uma criança tosse. Na véspera, a imprensa também havia desaconselhado levar crianças às seções eleitorais. Mas a mãe ela emenda, um pouco despreocupada: “põe a máscara, meu filho”. Afinal, as eleições também não corriam normalmente? Para muitos, pouco pareceria que, no dia 15 de novembro de 2020, 165 mil pessoas já haviam morrido de Covid.

  1. Cf. a respeito: https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2020/09/09/interna_nacional,1183952/uso-de-mascara-alem-de-proteger-pode-reduzir-sintomas-da-covid-19.shtml https://noticias.r7.com/saude/circular-sem-mascara-e-risco-para-si-e-para-os-outros-afirmam-medicos-21092020 https://www.ojogo.pt/extra/noticias/entrevista-exclusiva-devemos-usar-mascara-para-nos-protegermos-e-aos-outros-11987724.html https://www.vozprof.com/uso-mascara-para-proteger-os-outros-alberto-veronesi/ []
  2. Cf. https://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/e-verdade-que-todos-vao-pegar-coronavirus-cientistas-da-ufpr-respondem-novas-perguntas-da-sociedade/ []
  3. Cf.: https://esquerdadiario.com.br/Na-Grande-BH-Precarizacao-do-Trabalho-de-Professores-do-Ensino-Superior-Privado-Avanca-em-Alta https://theintercept.com/2020/04/01/coronavirus-startup-huck-dispensa-professores/ https://movimentorevista.com.br/2020/07/a-uberizacao-do-ensino-como-desvalorizacao-da-docencia/ https://www.adusp.org.br/index.php/defesa-do-ensino-publico/3744-demissoes-em-massa-nas-universidades-particulares-atestam-conversao-acelerada-para-modalidade-ead-e-sinalizam-desemprego-estrutural-dos-docentes https://movimentorevista.com.br/2020/07/a-uberizacao-do-ensino-como-desvalorizacao-da-docencia/ https://noticias.r7.com/educacao/uninove-demite-mais-de-300-professores-por-pop-up-23062020 []
  4. Cf. https://observatoriohospitalar.fiocruz.br/conteudo-interno/dados-da-covid-19-na-berlinda-uma-avaliacao-das-informacoes-sobre-pandemia https://outraspalavras.net/outrasaude/covid-19-brasil-reduz-testagem/ https://portalcorreio.com.br/diminuicao-dos-casos-de-coronavirus-pode-ser-por-queda-na-testagem/ []
  5. Cf. https://veja.abril.com.br/brasil/tem-que-deixar-de-ser-um-pais-de-maricas-diz-bolsonaro-sobre-pandemia/ []
  6. Cf. https://twitter.com/KatiaAbreu/status/1326931155778740226 []
  7. Cf. https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2020-10-24/no-brasil-cloroquina-tem-100-de-cura-diz-bolsonaro-a-franceses-veja.html []
  8. Cf. https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-diz-que-vermifugo-da-resultado-ate-melhor-que-cloroquina/ []
  9. Cf. https://askesis.hypotheses.org/1642 []
  10. https://askesis.hypotheses.org/tag/fake-news []
  11. Cf. https://estadodaarte.estadao.com.br/educacao-era-cloroquina-marcio-miotto/ []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search