A pandemia e o pandemônio

No dia 10 de novembro de 2020 o presidente do Brasil comemorou a suspensão da Anvisa dos testes da Coronavac, por fazer parte de uma suposta “conspiração chinesa”. Nesse mesmo dia, um conhecido (isto é, um brasileiro eventual qualquer aqui figurado como “um conhecido”) precisou de orientação médica após expor-se a situações com pessoas infectadas. Essas duas informações pareceriam díspares, não fosse o fato de que determinados aspectos sobre ciência e política entrecruzam-nas de um modo que não deveria ser ignorado.

Cabe notar, inicialmente, que a comemoração do presidente é claramente enganosa, ou melhor, ela causa propositalmente, voluntariamente, desinformação: por pretexto de acusar “os chineses”, o presidente deliberadamente omitiu a informação de que diversas outras vacinas, inclusive as que ele mesmo aprova, são feitas com insumo chinês.

A imprensa brasileira ainda não desmente campanhas de desinformação, tal como o fez a imprensa norte-americana sobre as mentiras de Trump. Mas a desinformação tem efeitos bastantes concretos. Desinformadas, as pessoas perdem tempo precioso frente a decisões políticas ou a um vírus mortal. Desinformação empobrece e mata.

O contexto no qual prolifera esse tipo de desinformação é o mesmo no qual o brasileiro começa a perceber seus próximos, e até a si mesmo, precisando de orientação efetiva sobre Covid. Una-se a falta de protocolos unificados, os remédios não comprovados e encaminhados por pauta política e a velha negligência institucional e médica brasileiras, e tem-se uma verdadeira bomba no colo de cada um. É uma bomba individualizada, pois sem qualquer campanha nacional de enfrentamento ou política de saúde. O que se tem, mais uma vez, é desinformação e polarizações (que se veja, por exemplo, a polarização entre presidência e governadores ou a atomização de todas as campanhas de enfrentamento nos municípios).

Conforme dito, nesse mesmo dia no qual o presidente negou a “vacina chinesa” por critérios simplesmente ideológicos, um “conhecido” (isto é, um brasileiro qualquer) foi ao médico após expor-se em situação de infecção. Mas onde é que as ações de um brasileiro qualquer se reúnem, nesse caso, com as atitudes de uma política nacional? É, por exemplo, na atitude do médico, e não parece inútil ater-se ao que os médicos, ou certos médicos, tem feito. No caso de meu conhecido, o médico fez tudo o que não podia e nada fez do que deveria ter feito.

Em primeiro lugar, o médico desacreditou a necessidade de testagem (afinal, segundo disse, “expor-se ao vírus é praticamente certeza de infecção”), nivelou as vacinas, desmereceu o PCR em detrimento de outros testes menos precisos e por fim receitou o kit envolvendo Cloroquina.

Desconfiado, meu conhecido recorreu ao seguro (coisa que, aliás, nem todo brasileiro tem). Descobriu duas coisas: primeiro, que os atendimentos de seu seguro estavam difíceis e, em caso de necessidade, levariam dias, tom bem avesso às urgências de uma pandemia; segundo, que o médico do seguro negou categoricamente o protocolo recomendado pelo primeiro médico, fazendo notar que o teste receitado dá falsos-negativos em número significativo e que a Cloroquina simplesmente não é comprovada. Em suma: meu próximo foi desorientado, talvez enganado, mas sobretudo viu-se iludido.

Isso ocasionou nele um grande sentimento de insegurança e decepção. Quando o médico receitou aquelas coisas e o conhecido ouviu algumas opiniões de que o médico poderia estar errado, desacreditou e disse que essas coisas “não deveriam ser politizadas”. Mas depois de ouvir o contraditório enfático do segundo médico, ele não sabia mais o que era verdadeiro ou falso. A falta de protocolo e as desinformações desencontradas, além de fazerem perder tempo – algo precioso diante de uma doença de grave evolução -, fizeram perder dinheiro e ocasionaram transtornos pessoais e no trabalho. Resultado? Além de ter que permanecer isolado e reforçar o autocuidado, o conhecido precisou seguir com a mesma agenda de trabalho, sob a aparência de que tudo segue normal não obstante o risco à própria saúde.

Há também um segundo fator a notar, o de que a decisão do primeiro médico envolveu claramente critérios anti-médicos e anti-científicos. Tratando-se de um médico, e não de um curandeiro, sabe-se que há uma linha básica de divisão sob a qual a medicina incorre no risco de deixar de ser medicina e voltar a ser o velho curandeirismo. Essa linha divisória é precisamente a que garante a comprovação das terapêuticas médicas: a efetividade da terapêutica, na medicina moderna, deve corresponder à realidade da doença, ela deve ser seu correspondente eficaz. Isso significa o seguinte: medicina dispensa impressões pessoais e desinformação, pois a doença é encarada como o curso de um processo natural e a terapêutica é precisamente um outro processo natural que intervém no processo doente e restitui o organismo a suas funções normais.

É nesse sentido, por exemplo, que os médicos tem cuidado ao receitar remédios. Tome-se o exemplo da cloroquina: sem comprovação, ela tem a mesma eficácia contra o Covid que a Própolis (embora, encarando os fatos, a Própolis ao menos tem um histórico de combate a outras gripes muito maior do que a cloroquina…). Ou ainda, sem comprovação um remédio contra malária tem a mesma eficácia contra a Covid que a de um vermífugo, a aplicação de ozônio no ânus (!) ou qualquer outra coisa. Mas se fizermos isso – se qualquer coisa pode curar não importando a devida testagem – então deixamos de lado o terreno da medicina e entramos em outro terreno bem diferente. O que surpreende, nisso tudo, é a ocorrência de médicos receitando remédios não comprovados sem muito critério, como se uma desculpa solta e descompromissada sobre a “autonomia da clínica” em detrimento da ciência dispensasse as advertências contra um uso ineficaz e promovido por politização.

Em miúdos: há aqui algo muito importante e que compromete a própria definição de medicina como tradição que carrega consigo a clínica e os experimentos científicos. É certo que a clínica médica é uma tradição diversa da experimentação, embora se entrecruze com técnicas advindas da experimentação. O olhar médico permite julgar por entre os sintomas para decidir a terapêutica apropriada, o que requer autonomia do médico sobre os melhores julgamentos. Mas num contexto inteiramente politizado a autonomia da clínica deveria servir-se da técnica e da ciência, e não de uma relativização do julgamento médico que flerta com interesses políticos. E isso foi exatamente o que o tipo de médico ilustrado acima fez.

Mas há também a decisão sobre a testagem. Numa pandemia, a principal arma contra um vírus é saber onde ele está e como se propaga. A medicina tem uma ciência ligada a isso: a Epidemiologia. Não importa se a população, a “maioria”, não sabe fazer cálculos exponenciais ou se o ensino médio não ensina mais isso (não permitindo às pessoas entenderem como uma epidemia se propaga), isso não faz doenças ou vírus sumirem. Nesta pandemia, o Brasil é país de notável subnotificação e subtestagem, sem contar a escuridão dos dados sobre síndrome respiratória aguda. E nos últimos meses a redução do número de infecções autoriza a pensar se não está em jogo também a redução da testagem.

Nisso, quando um médico desaconselha ou minimiza testagem porque “expor-se ao vírus é praticamente certeza de infecção”, ele atenta contra sua própria disciplina, pois desautoriza o registro de dados epidemiológicos num contexto de epidemia. Esse médico comporta-se como o químico que jogou fora a química para praticar alquimia. O que, novamente, não tem a ver com a divisão entre clínica e experimento. O âmbito concreto da clínica e as decisões autônomas do médico não devem vir de discursos de políticos ciosos de polarização para sustentar seus lugares. Inclusive, o contexto de polarização é aquele no qual a prática médica mais deveria ancorar-se nas inspirações científicas da medicina. Em caso contrário, tem-se pura e simples desinformação e descontrole. A pandemia cede lugar ao pandemônio.

Com isso tudo é possível ver como o patrocínio ideológico de um governo contra uma vacina, envolvendo informações desencontradas e desinformação sistemática, encontra-se com práticas muito concretas de saúde, aquelas que incidem no brasileiro comum. Não estamos mais na campanha de 2018 e no WhatsApp. O preço da desinformação é o risco tornado individual: oculta-se a responsabilidade pela inexistência de políticas públicas unificadas, e amparadas em ciência, sob as decisões todas sendo relegadas às inseguranças e instabilidades emocionais de cada um. Disse o presidente (novamente em tom de desinformação) que “esse não pode ser um país de maricas!”, e até aí erra: o vírus, tão microscópico, não escolhe nem valoriza se alguém está ali de peito aberto ou não. O Real está aí e cobra seu preço, não importando o negacionismo ou as piruetas dos memes.

Cite this article as: Marcio L. M., "A pandemia e o pandemônio," in áskēsis, 10/11/2020, https://askesis.hypotheses.org/1642.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 17/11/2020

    […] podem criar e trocar receitas médicas, enquanto receitas não-médicas podem ser dadas por médicos. Como encontrar uma chave de leitura para isso? Há algo relativo às Fake News, embora também […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search