Recursos Open Source para pesquisadores de ciências humanas

Abaixo constam instrumentos úteis relacionados a programas de Fonte Aberta ou Open Source para quem quer liberdade, usabilidade e gratuidade. Podem ser interessantes para pesquisadores, mas não só. As referências abaixo não requerem conhecimentos avançados em informática.

Não é nenhuma novidade dizer que todas as culturas do mundo formaram seus integrantes para o uso das tecnologias disponíveis. Numa sociedade como a nossa, surpreende notar que as escolas não formam seus alunos para serem usuários do computador e dos outros meios virtuais. É claro, por exemplo, que cada vez mais cedo as crianças começam a usar os gadgetsque lhe são oferecidos. Mas numa sociedade informática, surpreende notar que em suas escolas e na formação mais geral não há praticamente ensinamentos de linguagem informática ou sobre as relações entre as linguagens informáticas e o “mundo real”. Quando se fala, por exemplo, na promoção de um evento acadêmico, o reflexo primário dos alunos é o de divulgá-lo por meio de redes sociais como o Facebook, o Instagram (que é do Facebook) e o Twitter, sem sequer pensar que são empresas privadas de economia de engagement.

É como imaginar uma sociedade pescadora que ensinasse a usar o anzol e o barco feitos por apenas uma família para pescar apenas um tipo de peixe, mas não as técnicas de fabricar anzóis e barcos ou de pescar outros peixes. No caso da nossa, aprendemos a usar redes sociais, mas esquecemos cada vez mais de noções mínimas sobre recursos informáticos. A era da informação abundante torna-se curiosamente – talvez pela abundância – uma era desinformação. É um pouco surreal ter que reconhecer que é preciso certo esforço individual para descobrir que há muito mais opções do que as imediatamente oferecidas, e as opções imediatamente oferecidas geralmente são pagas ou o próprio usuário vira produto para lucros alheios. Há um mundo de produtos de fonte livre e livre uso, mas curiosamente inacessível. Por que será?

Abaixo, a intenção é dispor meios acessíveis, gratuitos, o máximo possível públicos, para usuários em geral e estudantes de humanidades em particular. É possível, após certa curva de aprendizagem (que não é grande), ter grande margem de independência sob instrumentos muito criativos e amplamente disponíveis.

Linux, Ubuntu etc.: alternativas, inclusive para “reviver” computadores mais antigos

Atualmente, sistemas operacionais alternativos ao Windows e à Apple, como o Linux, avançaram muito no que diz respeito à “facilidade” de acesso (user friendly), com inúmeras distribuições compatíveis com vários interesses. São sistemas operacionais gratuitos, com grande leque de programas e numerosa comunidade virtual. Sobre isso vale ver o DistroWatch, que compila inúmeros tipos de sistemas linux para os mais variados usos.

Computadores antigos?

Quem tem um computador que deixou de lado, às vezes por mais de dez anos, ficaria surpreso em saber que ainda é possível usá-lo em 2020. Há várias distribuições de Linux feitas para usuários iniciantes, tão leves quanto o Windows XP, O Windows 7 ou até mais leves (comparáveis ao Windows 98).

Dentre as distribuições muito leves é possível citar sistemas na linha do Antix Linux e do Q4OS (feitos para computadores mais antigos – sim, isso existe!). Mas há distribuições leves também de Linux mais famosos, como Ubuntu e derivados (por ex. o Lubuntu e o Kubuntu). Uma distribuição excelente também é o Puppy Linux. Vale ver por ex. artigos como esse, sobre sistemas alternativos ao Windows 7.

Sistemas Linux

Há inúmeros outros tipos de sistema Linux, inclusive voltados para pesquisadores. Sobre o Ubuntu, mencionado acima, há uma imensa comunidade virtual e aplicativos de todos os tipos.

Há também tutoriais e recursos úteis de “pós-instalação” para ativar inúmeras funções. Sobre o Ubuntu 18.04 e 16.04, vale ver as dicas do DioLinux (18.04 e 16.04), e também o que publica o Sempre Update e o blog de Edivaldo Brito.

Hoje é possível ser independente e realizar tarefas em sistemas não pagos. Surpreende ter que dizer isso na internet, um ambiente no qual todo mundo supõe liberdade, mas poucos são livres para produzir suas maneiras de usar o ambiente.

Alternativas ao Office

No Windows, no Linux ou outros sistemas, há outros conjuntos robustos de programas que substituem facilmente o Office (Word, PowerPoint etc.). Dentre eles há o LibreOffice, que já vem gratuitamente em diversas distribuições Linux.

A interface é inteiramente amigável (a meu ver, mais amigável que a do próprio Office).

Editar arquivos pdf e impressões

Quem trabalha com textos em pdf tem sempre um desafio: configurá-los para tornar a leitura adequada em leitores virtuais (como o Kindle), ou imprimir as folhas sem gastar tinta ou papel. Um estudante/pesquisador em humanidades certamente já se deparou com a questão: como imprimir duas ou mais páginas de um texto numa folha só?

Programas como o Boomaga, o MasterPDFEditor, o FoxIt PDF e o Okular dão conta do recado.

  • O Foxit é ao mesmo tempo um leitor de PDF (com mais recursos do que o Acrobat Reader) e um gerador de pdf com impressora virtual.
  • O Okular é um leitor de múltiplos tipos de arquivo, com várias opções de impressão e exportação de arquivos pdf.
  • O MasterPDFEditor faz o mesmo trabalho. Não é um leitor tão bom quanto o Foxit ou o Okular, mas permite diversos outros controles manuais, como por exemplo reduzir com precisão margens e páginas.
  • Finalmente, o Boomaga é uma impressora virtual, que permite imprimir em pdf ou em papel, com diversas configurações possíveis.

Na prática, os programas acima permitem o seguinte: dentre outras coisas, configurar o tamanho da página para caber duas páginas em uma só folha A4 sem que a letra fique desconfigurada (parece pouco, mas representa grande diferença para muuuita gente).

Blue Griffon – criador de webpages e ebooks

Para quem quer criar páginas de internet ou livros virtuais em formato EPUB (estilo Kindle, mas em formato livre), o BlueGriffon é um excelente editor estilo “DreamWeaver”, com interface gráfica e código. É inclusive recomendado pelo governo francês como ferramenta web. Informações e dicas de instalação no Sempre Update. Dicas de primeiras páginas aqui.

Markdown

Markdown é uma linguagem com inúmeras utilidades, especialmente para pesquisadores em Ciências Humanas. Vale a pena saber mais a respeito, pois além do formato ser amigável para produzir textos, o mesmo arquivo é capaz de ser compilado em inúmeros formatos (até páginas de internet). Escrevi um pouco sobre as vantagens aqui.

Vale conferir, por ex., programas como o Zettlr., que é também um programa de Zettelkasten. O programa oferece uma interface completa de Markdown para escritores e permite exportar os textos em diversos formatos, desde html estático até arquivos em pdf e Office. É muito maleável e com grande poder de formatação.


Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Olá. Obrigado por compartilhar o meu artigo sobre o Blue Griffon. Se precisar de mais material pode me contatar. Disponibilizo também gratuitamente um curso completo de WordPress.

    Se me permitir divulgá-lo, está disponível em https://www.blogson.com.br/curso-gratuito-de-wordpress/

    Sucessos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search