Quando a CIA elogiava Michel Foucault (ou “Foucault e o desmoronamento do Ocidente”)

Nos últimos tempos, o chanceler brasileiro Ernesto Araujo manifestou-se ao menos duas vezes sobre o filósofo Michel Foucault, tornando-o questão de Estado. Disse que ele é uma espécie de ideólogo do “globalismo”, ou que faz parte do time do “comunavírus”, complô chinês que teria sido responsável pela Pandemia de Covid-19.

Foucault, para os alucinados da alt-right, é uma espécie de arquiteto de tudo o que houve de ruim nas últimas décadas. Já ouvi de um fã de Jordan Peterson: ele é um dos “principais culpados pelo desmoronamento do ocidente”.

Por vezes, não se sabe se o autor mais importante (ou culpado) é Foucault, Paulo Freire ou Gramsci, ou ainda se os três dançavam juntos no Forró de São Paulo. O que parece certo é que Foucault segue vendido como uma espécie de “marxista cultural”, um dos maiores e mais “nocivos” dentre “eles” (pois políticos radicais precisam ter inimigos, não coerência).

A coisa respinga até na “intelectualidade”. Camile Paglia, por exemplo, chega a dizer que odeia Foucault devido a “his solipsistic, mendacious writing, which has had a disastrous influence on naïve American academics”, ao fato de ter composto uma “pretentious, verbose trinity” com Lacan e Derrida, de ser uma espécie de “anti-iluminista” e tantos outros adjetivos que o pintam como alguém que corrompeu os pobres jovens norte-americanos.

Sobre isso, talvez seja inútil citar alguns dados históricos, como a curta passagem de Foucault pelo PCF, seu mal-estar diante dos rumores dos Gulags ou do caso dos jalecos brancos, seu desconforto para com o “ascetismo dogmático” (sic.) dos marxistas – incluso os psiquiatras -, as incríveis peripécias intelectuais de juntar Pavlov com Marx e tantas outras, dados amplamente disponíveis para quem quiser ver que a coisa não é tão fácil assim (e também constatar que talvez esses tantos críticos de Foucault sofrem de algum tipo de desonestidade).

Mais útil, talvez, seja mostrar uma anedota: Stéphanie Roza tem dito que Foucault é culpado por retirar a atenção sobre as desigualdades socioeconômicas – bandeira clássica das esquerdas – e deslocar o foco para outros tópicos, como o das minorias. Diz ela:

As novas figuras dominadas substituem as antigas, ao invés de se acrescentarem a elas. Não se levou suficientemente em conta o fato de que, na filosofia foucaultiana, a questão da exploração e das desigualdades socioeconômicas, sem estar totalmente ausente, foi relegada à periferia da análise; que a colonização raramente é mencionada; finalmente, que o filósofo nunca tomou partido abertamente em favor das lutas feministas que, no entanto, eram contemporâneas.

A crítica chega ao ponto de dizer: a própria CIA compartilhou documentos mostrando como autores da alçada de Foucault seriam benéficos aos EUA pelo aporte anti-soviético, retirando os EUA de cena. Os documentos da CIA chegariam a mencionar que “aunque la política norteamericana nunca es inmune a las críticas en Francia (…) está claro que la Unión Soviética está hoy a la defensiva con los intelectuales de la Nueva Izquierda”, ou ainda Roza diz: “Porque es eso lo que dicen: es bueno para el campo atlántico que Foucault eche a los marxistas de la facultad”.

E agora? Parece claro que Foucault é pró e contra o ocidente e pró e contra o temível marxismo. Pelo jeito, a situação permanecerá assim até que seus textos sejam lidos.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search