Natalie Depraz: Resumo das etapas metodológicas da Fenomenologia

in: Edmund Husserl La crise de l’humanité européenne et la philosophie Introduction, commentaire et traduction par Nathalie Depraz Collection dirigée par Laurence Hansen-Løve Edition numérique : Pierre Hidalgo La Gaya Scienza, mars 2012

Recapitulemos as diferentes operações pelas quais a fenomenologia chega a seu rigor último, isto é, à sua maturidade. 

1. Pela descoberta da intencionalidade, ato da consciência no qual a relação entre polo subjetivo e polo objetivo prima sobre cada um dos polos, a fenomenologia consuma uma primeira ruptura. Desde 1900-1901, ela se destaca de toda concepção de filosofia como teoria do conhecimento, concepção que ainda repousa sobre a oposição dual do sujeito e do bojeto. Enquanto estrutura relacional da consciência e de seu objeto, a intencionalidade é de certo modo um conceito comum à fenomenologia e à psicologia herdada de F. Brentano. 

2. Pela colocação em evidência da époché, ato de recuo e de colocação em suspenso permitindo uma observação desinteressada do mundo, da redução eidética enquanto conversão do fato à essência, e enfim da redução fenomenológica que é passagem do dado natural a seu sentido como fenômeno em 1907, a fenomenologia se destaca do horizonte psicológico no qual ela ainda se banhava, e conquista-se como transcendental. As descrições concretas da experiência poderão, desde então, mover-se seja em regime psicológico, no qual as coisas são apreendidas como fenômenos psíquicos, seja paralelamente, em um nível de rigor fenomenológico superior, em regime transcendental, no qual essas mesmas coisas aparecem como unidades fenomenológicas de sentido. 

3. A operação da constituição vem, enfim, realizar o movimento de acesso ao sentido tornado possível pela redução. Correlato estrito desta, a constituição é o ato pelo qual redescubro o mundo como horizonte último do sentido: o sentido se desdobra sobre o fundo do mundo, ou ainda: o mundo é o meio no qual cada objeto que eu viso advém como sentido. Eu constituo o mundo como unidade de sentido: isso significa que eu o objetivo, conferindo nele uma unidade transcendental de sentido. 

4. Pela colocação em jogo de uma fenomenologia constitutiva, e não mais apenas descritiva como na fase da intencionalidade, começa também o movimento da redução ao mundo da vida, como retorno radical ao sentido originário do mundo e como recusa correlativa do mundo objetivo idealizado da ciência. 

Do empreendimento da intencionalidade à descoberta do mundo da vida, passa-se de uma fenomenologia estática, na qual são encarados os diferentes atos intencionais da consciência (percepção, imaginação, lembrança) em seua estrutura e fundação estabelecidas a partir da percepção, a uma fenomenologia genética que privilegia o engendramento do sentido pela consciência e a busca de sua camada mais originária.

Esses dois movimentos não podem ser opostos ou hierarquizados. Pelo contrário, os dois são necessários para o aprofundamento do empreendimento fenomenológico.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search