Schelling: absoluto, idéia e conceito

Trecho traduzido de: Richards, Robert. The Romantic Conception of Life. Chicago: University of Chicago Press, 2002 (Cap. 3, p. 184-186), por Marcio L. M. Askesis. handle: 10670/1.pbyy3e

Em 1801 Schelling estava pronto para argumentar que, a despeito de Fichte, o filósofo deve seguir para aquém da autoconsciência rumo à sua condição incondicionada, o absoluto. Ele modelou o absoluto a partir do Deus sive natura de Spinoza e do Bem de Platão. O absoluto constitui a plenitude do ser, ainda sem as diferenças expressas. Ele forma a essência de cada entidade, para que cada ser subsista, ainda, com todos os outros em identidade radical. De fato, a essência do absoluto era o que Schelling se referia como sendo seu estado de auto-identidade. Embora o absoluto fosse essencialmente indiferente às diferenças, ele continha virtualmente e organicamente diferenças. Mais precisamente, no absoluto as idéias subsistiam em relação íntima umas com as outras. Como as Formas de Platão, as idéias de Schelling eram esferas de conteúdo individual, cada uma com uma essência (pela qual era organicamente relacionada de maneira leibniziana a todas as outras idéias e a elas idêntica) e uma forma (a qual fornece implicitamente sua individualidade). A respeito das idéias, não se poderia dizer que alguma delas era empiricamente real ou meramente ideal, existente ou meramente possível – as idéias permanecem indiferentes a essas designações. Simultaneamente, portanto, elas eram seres reais e finitos, bem como os conceitos universais de tais coisas. Enquanto tais, as idéias serviam como arquétipos eternos para indivíduos existindo no mundo finito da experiência.

Mesmo depois dessa epítome da teoria de Schelling sobre o absoluto, o leitor indubitavelmente pedirá por mais luz. A descrição pode talvez ficar mais clara (mesmo se o enigma permaneça logo abaixo da superfície) considerando a relação entre os conceitos e seus referentes reais. O conceito (Begriff) universal de cão refere-se indiferentemente a Fido, Rex e Max, indivíduos que possuem traços distintivos (ex. Max tem manchas pretas e brancas; Fido é bronze-dourado; Rex, infelizmente, morreu há vários anos). O conceito inclui indiferentemente, por assim dizer, as diferenças separando os indivíduos – isto é, o conceito de cão é aplicável tanto ao animal em preto e branco quanto ao dourado ou ao já morto; nesse sentido, o conceito inclui as diferenças, mas sem notá-las. Essa mesma relação é obtida se falarmos no conceito desse indivíduo particular. O conceito de Max é empiricamente realizado através de um período de tempo, e nesse tempo, ocorrem muitos traços distintos e às vezes opostos. O conceito de Max, então, incluirá indiferentemente suas muitas instâncias reais ao longo do tempo. Já a idéia (Idee) de cão, diria Schelling, engloba ou refere a ambos, o conceito de cão e os cães individuais indiferentemente. Ela, assim, inclui o conceito infinito e os indivíduos finitos, mas sem distinção, apenas como pura identidade – nomeadamente, cão. Agora, se alguém ascender para considerar a idéia de todas essas idéias (de cão, gato, mar, montanha etc.), ele também deve formar uma identidade pura que inclui todas essas diferenças indiferentemente. A idéia de todas as idéias é o que Schelling referia como sendo o absoluto, cuja essência é pura identidade.

No reino da temporalidade empírica, onde objetos individuais da natureza aparecem para egos individuais – embora, para Schelling, tais objetos chegam à consciência apenas como intuições sensíveis – esses objetos são tomados numa rede causal de outros objetos finitos. O cão Max foi gerado por seus parentes; ele respira oxigênio; ele come, assimilando outros objetos; ele morde o carteiro, alterando outros objetos; e ele reproduz sua espécie. Max se torna empiricamente real através de situações causais antecedentes do passado, e sua existência alterará relações causais rumo ao fim dos tempos. Max, assim, foi efetivamente causado por eventos passados e é a causa potencial de eventos futuros. Todas essas relações causais, atuais e potenciais, serão espelhadas no conceito pleno daquele animal – comparavelmente ao modo como Leibniz sustentou sobre relações causais aparentemente externas existirem apenas na mônada, a qual não tem janelas abertas para outras mônadas. Pode-se alargar o modelo leibziano ainda mais – como faz Schelling – e referir-se ao conceito de uma entidade individual como sua “alma”. Agora ambos, o cão atual Max e seu conceito universal (ou alma), sua existência finita e sua infinita representação ideal, consequentemente estarão causalmente implicados com todas as outras entidades reais, e idealmente com todos os outros conceitos dessas entidades. Assim “cada coisa singular”, de acordo com ele, “representa o universo a seu próprio modo”.

Na teoria de Schelling, as idéias que constituem o absoluto são essencialmente identificadas com todas as outras. Ainda, suas diferenças (ex. a idéia de um cão comparada com a de um ser humano) não são simplesmente dissolvidas numa completa unidade. É difícil de dizer, mas as idéias subsistem no absoluto de tal modo que as diferenças entre elas são preservadas virtualmente. Assim, em certo sentido, o cão Max tem quatro modos inclusivos de existência: como uma criatura empírica no tempo; como um indivíduo em seu conceito; como um conceito em sua idéia; e como uma idéia no absoluto. Mas como conceber o finito como parte do infinito? Schelling emprega o modelo orgânico para tentar transmitir como o finito pode existir no absoluto, não como entidade separada mas virtualmente. “Como no caso de uma parte orgânica [de um organismo inteiro]: quando ela é considerada como real, ela não é entendida como um indivíduo separado do organismo; mas quando considerada idealmente, ou por si, então a encaramos como um indivíduo – assim também para o indivíduo finito tal como existe no absoluto” [Schellings Werke, 3:146 [iv:250]].

Mesmo que as relações internas colocadas por Schelling no absoluto fiquem completamente claras, ainda restaria o problema de como indivíduos finitos chegam a existir no absoluto ou emanar dele. Há um sentido definido, na concepção de Schelling, no qual o mundo finito aparece apenas como uma ilusão. Através da percepção finita, a verdadeira unidade e integridade do absoluto torna-se, por assim dizer, espalhada em objetos independentes existindo no espaço e no tempo. O conceito de uma coisa, sua alma e seu corpo finito não existem realmente em si mesmos, mas apenas “na toda-abençoada natureza, na qual a possibilidade não se separa da realidade, nem pensamento do ser, no arquétipo [Urbild], o qual é incriado e verdadeiramente imortal” [Ibid., 3:179 [iv:283]].

A concepção de absoluto de Schelling permanece íntima à idéia espinozana de Deus, o ser que (no sistema deste último) constitui a única substância: “O que é, é em Deus, e sem Deus nada pode ser concebido [Ethica, I, XV, in Opera, I: 47]. A verdade dessa proposição para os dois filósofos, porém, apenas poderia ser alcançada através de um tipo de conhecimento para além do entendimento ordinário. Para ambos, portanto, nossa percepção do mundo natural, com seus indivíduos finitos e temporais, é inteiramente enganosa; ela se baseia, nos termos de Spinoza, em “idéias confusas” [ideae confusae, Ibid., II, XXVIII, I: 96-97]. Mas ainda não permanece claro, mesmo se aceitarmos suas respectivas posições, por que ilusão e confusão poderiam surgir do absoluto – disfarçando assim suas cores verdadeiras. Esse tipo de objeção, é claro, foi utilizada contra todo postulado filosófico do ser absoluto desde Parmênides, bem como não deixou de ser contra as concepções mais ortodoxas de Deus como ser infinito e inteiramente perfeito. Vai ver então não seria da incumbência de Spinoza ou Schelling a resolução dessa dificuldade.

Cite this article as: Marcio L. M., "Schelling: absoluto, idéia e conceito," in áskēsis, 12/03/2020, https://askesis.hypotheses.org/134.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 10/05/2020

    […] R. [Absoluto, idéia e conceito] Trecho traduzido de: Richards, Robert. The Romantic Conception of Life. Chicago: University […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search