A Lei de Fechner de Fernando Pessoa

Quem diria: Fernando Pessoa também elaborou sua “Lei de Fechner”, relativa a uma noção muito apreciada por ele: a de sensação. A analogia não parece ser à toa. Fechner estabelece uma análise matemático-psicológica da finitude humana, Pessoa se surpreende com o aspecto cada vez mais diminuto dela.

O argumento é retraçado por Edgar Galan, em sua tese de doutorado1. Para Pessoa, trata-se da “Lei de Malthus da Sensibilidade” (no texto “Nota à margem de não haver ainda Portugal”2 ). Se Fechner diz que o acréscimo de estímulo deve aumentar em proporções geométricas para a sensação acrescer em dimensões aritméticas, Pessoa escreve:

Lei de Malthus da sensibilidade.
Os estímulos da sensibilidade aumentam em proporção geométrica; a própria capacidade de sentir aumenta apenas em progressão aritmética.
Ao princípio, não se distingue bem a distância entre as duas progressões, mas, algum tempo passado, torna-se evidente; tempo depois evidentíssima. Na Renascença ainda no princípio da nossa civilização, existia esta pequena diferença, porquanto a progressão aritmética 2.4.6.8. coincide no seu segundo termo com a progressão geométrica 2.4.8.16 …..
É do romantismo para cá que se acentuou deveras com uma nitidez cada vez maior, a distância cavada pela virtude criadora dos números entre as duas progressões. De aí a incapacidade moderna de sentir o que sente. De aí a falência da sensibilidade contemporânea, enquanto não começou a perceber, por intuição aqui pela primeira vez exprimida em Lei, a sua razão aritmológica de ser. Primeiro avançaram os factos políticos para além da capacidade de os sentir; assim se estabeleceu na nossa civilização o princípio democrático quando nenhuma sensibilidade então, nem ainda, está apta a senti-lo. Com a era das máquinas a distância entre os termos de uma e outra progressão acentuou-se dolorosamente.

A pergunta de Pessoa carrega uma incrível reversibilidade, se aplicada de um lado à literatura e à fruição estética proposta por Pessoa e de outro à Psicologia e à multiplicação das psico-técnicas do século XX-XXI: “Que maneira há de aproximar a sensibilidade da rápida multiplicação dos estímulos?”

  1. Galan, Edgar. O sensacionismo vigente. Tese, UFSM, https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/16551/TES_PPGLETRAS_2019_GALAN_EDGAR.pdf []
  2. Pessoa Inédito. Fernando Pessoa. (Orientação, coordenação e prefácio de Teresa Rita Lopes). Lisboa: Livros Horizonte, 1993.  – 178. http://arquivopessoa.net/textos/1364 []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search