“O Brasil não pode parar”

Hoje o Brasil teve um dia singular, talvez expressivo do que 2020 nos representa. Um “colaborador” – um ente criado pelas últimas reformas trabalhistas brasileiras – teve um infarto e faleceu em um Carrefour no país. Ao invés de encerrar as atividades, o mercado colocou guarda-sóis, tapumes e engradados de cerveja para não fazer com que o morto atrapalhasse os outros compradores.

O dado não se separa da semana: uma criança de 10 anos engravidou após inúmeros estupros. Quando se difundiu a notícia do aborto, ativistas de ultradireita expuseram a identidade da criança. Ela também foi alvo de ataques e condenações pelas mesmas pessoas que costumam dizer que “bandido bom é bandido morto”. Curiosamente, essas pessoas esqueceram do estuprador e miraram a bile na vítima: a criança foi objeto de linchamento moral, o hospital foi cercado e o foro íntimo da família foi vilipendiado.

E o dado não se separa do mês: o Brasil co-memora 100 mil vítimas de Covid-19. Sob a percepção do brasileiro, 47% acredita que as ações do presidente brasileiro não se ligam ao número de vítimas. 52% acreditam nisso, embora, destes, apenas 11% acreditem que o presidente tenha papel direto.

Nada disso se separa da gestão pública da Pandemia. Em inúmeros lugares do país, noticiou-se ampla abertura do comércio, pois as “bandeiras” de risco da pandemia (que vão do amarelo ao vermelho) se abrandaram, autorizando que as autoridades promulgassem “bandeira amarela” e abertura dos comércios.

Esse dado matemático tem muito a nos dizer. As autoridades públicas flexibilizaram o fluxo de pessoas por uma espécie de avaliação ingênua: os números baixaram, logo seria possível flexibilizar as atividades. Mas surpreende como essas medidas são cegas: se os índices de contaminação baixaram devido ao isolamento social (sempre precário), a medida das autoridades é… baixar os índices de isolamento!

A mágica com os números na flexibilização do isolamento dá o tom de todo o resto: o brasileiro não enxerga, necessariamente, correlação entre o isolamento e a baixa das curvas epidemiológicas; ele não enxerga correlação entre a omissão de um presidente populista e os índices de morte; não enxerga as modulações morais pelas quais seus bandidos podem ser condenados ou perdoados; e finalmente, parece que ele considera normal que vidas não devam ser respeitadas acima de dispêndios econômicos eventuais, como os de uma pandemia ou do funcionamento de um mercado.

Nos destaques dos jornais, hoje, figuraram notícias tais como: a greve dos Correios atrapalha o recebimento de encomendas, e uma massa de ar polar talvez faça com que neve no sul.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search