Lorenz Oken, a gradação dos seres e o racismo ontológico

Lorenz Oken (1779-1851) é um autor inserido nas diversas questões culturais e teóricas do século XIX: interlocutor de Schelling, adepto da Naturphilosophie, “precursor” de Darwin e pensador da biologia que apenas se inicia e não carrega um nome de disciplina, ele também esboça seus sistemas de mundo (plenamente inseridos no mundo europeu do mesmo século).

No Esboço do Sistema de Anatomia, de Fisiologia e de História Natural, de 18211, Oken elabora uma taxinomia que vai dos elementos mais básicos ao Homem. O Mundo, que nada mais consiste senão de variações do mesmo princípio, desdobra-se – “repete-se” – nos reinos elemental, mineral, das plantas e dos animais.

Tudo são variações dos elementos – terra, fogo, água e ar -, ou mais precisamente interações da terra em composição com os outros elementos (que seriam invariáveis). Assim, os minerais são “bi-elementais” (a terra composta com um dos elementos), as plantas são “tri-elementais” (terra composta com água e ar, interagindo com o fogo) e os animais são “quadri-elementais” (feitos da terra em interação com os elementos básicos, água e ar, e também o fogo).

Todas as classificações se desdobram a partir das três mudanças fundamentais – a interação da terra com os outros três elementos -, chegando então, depois de longas séries, nos órgãos superiores, que representam os 5 sentidos, plenamente presentes nos mamíferos. Estes, então, classificam-se conforme a evolução dos sentidos: pele, gosto, cheiro, ouvido, olho. Assim, por exemplo, os paquidermes se dividem em porcos (pele), hipopótamos (gosto), elefantes (nariz), rinocerontes (ouvido) e cavalos (olho).

No ápice do Ser chega-se ao homem, dividido por cores e entre as tribos dos continentes: o negro (pele), o marrom ou malaio (gosto), o vermelho ou americano (nariz), o amarelo ou mongol (ouvido) e, finalmente o branco caucasiano, que seria a raça “mais elevada” e de “olhos mais perfeitos” (p. 65).

Em Oken, como em outros autores do século XIX, o racismo não se diferencia do próprio sistema do Mundo, é um desdobramento, uma “repetição”, do princípio fundamental que seguiria dos 4 elementos ao Homem. O último deles, portador dos “olhos mais perfeitos”, é o que realizaria o sistema do Mundo (quem sabe o “sabá sagrado da Natureza”, o mundo “visto por dentro”, conforme interlocutores como Schelling).

A Europa do século XIX engaja, mais uma vez, uma escala dos seres correlacionada com suas próprias formas culturais, um mundo muito à imagem de seu mundo.

Cite this article as: Marcio L. M., "Lorenz Oken, a gradação dos seres e o racismo ontológico," in áskēsis, 18/08/2020, https://askesis.hypotheses.org/1272.
  1. Oken, Lorenz. Esquisse du Système d’Anatomie, de Physiologie et d’Histoire Naturelle. Paris: Bechét Jeune, 1821. []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search