Fake News não são News, e News não são Fake?

Eugenio Bucci tem um interessante artigo no livro Pós-Verdade e Fake News, com o título sugestivo: “Fake News não são News, e News não são Fake”. O título é auto-explicativo: não está na definição mesma de “notícia” (conteúdo factualmente e racionalmente verificável, compartilhável e notório, divulgado por chamadas de imprensa – e não julgamentos prévios) ser “falsa”.

A notícia Fake – diz literatura diversa – se alastra emulando as características da notícia factual, da imprensa. Mas como tal, não é notícia. É certo que desde que há imprensa ocorrem mentiras, e o próprio Bucci mostra exemplos como o do jornal soviético Pravda, que significa “Verdade” mas não se ateve muitas vezes ao próprio título. Mas o problema das Fake News evocaria algo mais, apenas tornado possível com as redes sociais, a difusão da informação e principalmente a digitalização dela.

Milhões de pessoas hoje se informam por mídias sociais e por meio de “conhecidos”, que seriam confiáveis apenas por serem “conhecidos”. E igualmente, as mesmas mídias sociais propiciam conteúdos indiretos, sem fonte clara ou verificável. Tais fatores multiplicam a probabilidade de alastramento do Fake.

Vale notar como as Fake News colocam em jogo – talvez mais do que nunca – o papel da imprensa por definição, tal como legada pelas sociedades modernas. A imprensa sempre foi vista (ou ao menos deveria ser vista) como veículo republicano das democracias representativas, como órgão que, se algumas vezes mente (por efeito colateral), não é mentiroso na essência. Embora por vezes flerte com os poderes ou com a publicidade, a imprensa não seria veículo de publicidade ou de manipulação. Se a imprensa é defensora da verdade factual, não é inútil lembrar do que disse por ex. Hannah Arendt1 para mostrar o que está em jogo em caso contrário:

A marca distintiva da verdade factual consiste em que seu contrário não é o erro, nem a ilusão, nem a opinião, nenhum dos quais se reflete sobre a veracidade pessoal, e sim a falsidade deliberada, a mentira. É claro que o erro é possível e mesmo comum com respeito à verdade factual, caso em que ela não difere de modo algum da verdade científica ou racional. Mas o problema é que, com relação aos fatos, há uma outra alternativa, e esta, a falsidade deliberada, não pertence ao mesmo gênero que as proposições, as quais, certas ou equivocadas, não pretendem nada mais que dizer o que é ou como alguma coisa que é me parece.

Disso tudo, surpreende ao menos um caso recente. O Instituto Millenium, de financiamento privado e bancado por agências ligadas a gente como Paulo Guedes (um dos fundadores), acabou de lançar uma campanha chamada “Destrava!”, na qual divulga a informação de que o salário do servidor público consome 3,5 vezes os gastos em saúde e o dobro dos gastos em educação.

Tão logo o informe do Millenium saiu, num passe de mágica já estava em canais como O Globo, que não noticiaram o conteúdo do instituto, mas o subscreveram. N’O Globo a notícia ainda aparecia sob atribuição do Instituto (“não somos nós quem o diz, mas eles”), mas o tom foi se convertendo até chegar na reportagem do Jornal Nacional (“o que eles dizem condiz com a verdade”). A notícia se alastrou como pólvora acesa e à noite já era replicada na íntegra por políticos como Rodrigo Maia.

A literatura sobre as Fake News parece reforçar cada vez mais a tese de que “Fake News não é News”, isto é, que notícia não é dado parcial, reiteração de tese defendida por interesse privado ou peça de propaganda feita para convencer. A própria imprensa tem demonstrado preocupação com as Fake News, articulando-se com agências de fact-checking. Mas esse movimento que parte de dados parciais de um think tank privado, passa automaticamente pelo veículo de imprensa e cai sem ruído no político salta aos olhos.

Há algum tempo o IPEA lançou um longo estudo, um Atlas do funcionalismo público no Brasil, abrangendo ao menos 3 décadas. Esse estudo é um perfeito exemplo para mostrar que certas coisas seguem estranhas.

Quando o estudo saiu, a linha de divulgação na imprensa seguiu a tese de que o funcionalismo teria se multiplicado e inchado demais a máquina estatal. Mas o estudo do IPEA mostrou que não houve aumento substancial e que o aumento existente de funcionários (quando houve, pois em alguns setores, como o federal, houve regressão ou estabilidade) acompanhou o próprio crescimento do país. Além disso, o aumento existente do funcionalismo público foi predominante em estados e municípios e teve por função cumprir prescrições da Constituição Federal, especialmente ligadas à saúde e à educação.

Os dados estão lá e contradizem diversos tons divulgados por essa surpreendente linha sem ruído que vai do Think Tank privado à imprensa com papel público e ao político que deveria seguir critérios partidários. A utilização de alguns dados corretos para conclusões enviesadas não retiram o fato de que alguns dados são corretos e de que as conclusões estão enviesadas.

Uma rápida visita ao diagnóstico do IPEA permite ver informações tais como: se o funcionalismo público consome parte considerável do PIB, isso inclui também os gastos com terceirizados, isto é, de fontes privadas ganhando dinheiro público (são 20% dos gastos!); 30% do funcionalismo público é de militares; se há comparativamente mais gastos com funcionalismo do que com saúde e educação, é porque se contratou pessoal em saúde e educação (!!), pois afinal as folhas de pagamento da educação e da saúde (nos estados e municípios) são grandes e puxaram o crescimento do funcionalismo; se houve mais contratação em saúde e educação para cumprir metas da Constituição, não houve aumento expressivo de salário, exceto no judiciário

É certo que há muito mais questões envolvidas, mas o fato é que isso nem de longe deveria ser discutido por blogs acadêmicos desconhecidos e interessados em temáticas como a das Fake News. O que repõe o problema colocado acima: isso tudo não deveria ser matéria de discussão via imprensa, e não de simples subscrição de certas pautas por parte dela?

Afinal, dizíamos que outras mídias alheias à imprensa – e à verdade – estão aí, e a própria imprensa parecia perceber os riscos que corre…

  1. Verdade e Política in Entre o Passado e o Futuro. SP: Perspectiva, 2016, p. 308 []

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search