Fake News e “fazendas de trolls”

Pense que você é um político de pautas impopulares, mas pretende fazer com que mesmo os cidadãos que discordam de você mudem de posição, passando a crer que você não prega aquilo que prega. Você pode ser antipático às questões raciais, mas fazer com que negros o aprovem. Pode pregar a morte, a violência e a intolerância, mas fazer com que cristãos acreditem que a sua idéia é coerente. Seria possível realizar isso?

A resposta é “sim”, e um dos caminhos possíveis é a criação de troll farms, isto é, fazendas de trolls. Elas consistem na encomenda e criação de um número gigantesco de perfis falsos de rede social, supostamente similares aos dos eleitores que discordam de você, mas defendendo as idéias que você concorda.

É assim que o Facebook acabou de fechar uma série de troll farms favoráveis a Donald Trump. Dentre as pautas, estavam a formação de inúmeros perfis falsos de pessoas negras. Se Donald Trump prega contra o dito “Black Lives Matter” e quer alastrar a falácia de que “todas as vidas importam” (pois ao dizer isso ele não está preocupado em afirmar que “todas as vidas importam”, e sim que a campanha dos negros não importa tanto assim), e se com isso o eleitorado negro tende a não gostar de Trump, o que fazer a respeito? A resposta é: criar um número imenso de perfis de robôs, simulando pessoas negras a defender slogans como “BlackPeopleVoteforTrump“.

Como se sabe, as redes sociais funcionam por curtidas e follows: conteúdos mais curtidos e seguidos ficam mais populares, e as pessoas que curtem certo material tendem a receber material relacionado.

É assim que os trolls, quando agrupados, conseguem tanto poder. Você acessa a rede social e vê uma pauta, como “pessoas negras votam em Trump”. Visita os perfis e pessoas negras dizendo isso, sem saber que muitos são robôs ou perfis artificiais, criados precisamente para serem vistos (aí está a arte: fazer com que a experiência visual das pessoas seja dirigida a certas coisas e não outras). Eventualmente você também vê opiniões ou análises relacionadas, milimetricamente plantadas para causar reações (ou, melhor ainda quando é feita por simpatizantes irrefletidos). E quando percebe, pronto: algum conhecido, ou até você mesmo, foi fisgado pela pauta.

Aplique-se a mesma regra no Brasil, e é possível entender uma série de fenômenos absurdos ocorrendo por aqui.

A mesma tática também pode ser utilizada para atacar políticos, até países. Segundo a reportagem acima, as fazendas de trolls foram criadas fora dos EUA. Elas poderiam muito bem ter sido criadas por gente ligada a Trump ou por agentes de outros países buscando desestabilizar os EUA (durante a eleição de Trump, até a Rússia foi acusada disso).

Como evitar que tais coisas ocorram? Simplesmente contornando um paradoxo: na era da informação, as pessoas tendem 1) a não verificar as fontes e 2) a confiar em poucas fontes (geralmente não-verificadas). É aí que as Fake News e a manipulação das massas torna-se possível, quando a velocidade da informação se sobrepõe a seu exame.

Eis, aliás, uma boa definição de Troll Farm (no link acima):

Troll farms — groups of people that work together to manipulate internet discourse with fake accounts — are often outsourced and purchased by foreign governments or businesses to push specific political talking points. 



Citar este post
Marcio L. M. (2020, 8 Agosto). Fake News e “fazendas de trolls” áskēsis. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/d1jn

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 25/03/2022

    […] é que um bot ou um humano divulgam chavões ou fake news. Campanhas como as de Trump empreenderam fazendas de trolls. Livros como Os Engenheiros do Caos, de Giuliano da Empoli, mostram como campanhas de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search